Argentina e Itália: liberdade, reciprocidade e desenvolvimento

EdC e AMU: o impacto dos projetos realizados em 2016 com os lucros compartilhados pelas empresas de EdC.

por Francesco Tortorella

do Relatório EdC 2016, sobre a "Economia de Comunhão - uma nova cultura"

N42 Pag 04 Tortorella autore ridTambém em 2016 a colaboração entre EdC e AMU* foi focada na criação de postos de trabalho, para oferecer a muitas pessoas a oportunidade de não depender das “contribuições financeiras temporárias”, mas de alcançar seu sustento com suas próprias competências.

Durante o ano alguns projetos foram concluídos: na Bolívia (microcrédito), Paraguai (microempresas familiares), Filipinas (colocação de meninos de rua no mercado de trabalho) e Itália (formação profissional para ex-drogados e assistência a desempregados). Graças a estes projetos 100 pessoas hoje têm um trabalho e ganham o necessário para suas famílias poderem viver.

Continuaram também as atividades dos outros projetos : no Brasil (agricultura biológica familiar e abertura de microempresas inclusivas), Argentina (artesanato e turismo rural comunitário), Cuba (incubação de microempresas), Portugal (recolocação de pessoas desempregadas no mercado de trabalho) e Itália (colocação de jovens italianos e imigrantes no mercado de trabalho), com o envolvimento de 250 trabalhadores. Vejamos dois destes projetos em detalhes.

ArgentinaN44 pag04 05 Progetti Argentina 2 rid web5 comunidades rurais, 83 famílias e 32 microempresas envolvidas na criação de uma rede de artesãos, produtores agrícolas, pecuários e operadores turísticos: a primeira experiência de turismo sustentável e solidário no país. O projeto está melhorando as infraestruturas, as capacidades profissionais, a qualidade dos produtos. Mas existe um desenvolvimento humano invisível aos olhos, que o “turista solidário” percebe vivendo alguns dias com os protagonistas e entrando na vida deles: a segurança daquelas pessoas que antes, sentindo-se inferiores, abaixavam a cabeça e se calavam; a autoestima destes novos pequenos empreendedores, agora mais conscientes da própria dignidade e capacidade; a formação cívica, a solidez familiar e a atenção para a “casa comum”. Podendo colocar em prática e compartilhar as próprias competências no trabalho, liberou-se o potencial destas pessoas que mudaram o seu relacionamento com os outros. Norma nos explica: «No passado, eu pensava que o meu valor viesse “de fora”, dependesse daquilo que os outros pensavam, porque eu era meio discriminada entre os meus amigos: negra, indígena, pobre. Hoje creio que temos que aprender a nos valorizar a partir de nós mesmos, sem esperar que chegue de fora: eu conheço o meu valor e por isso vejo os outros de forma diferente».

N44 pag04 05 Progetti Argentina rid webA necessidade de um trabalho, nestas terras distantes de tudo, impele muitos jovens a emigrar. Em geral, acabam indo parar nas favelas das grandes cidades, discriminados, sem oportunidades de acesso ao trabalho, são pegos pelas armadilhas da droga e da criminalidade, vítimas do tráfico. Renzo é um artesão, mora aqui com a mulher e três filhos pequenos, trabalha a madeira de cactos que é leve, resistente, modelável, um recurso natural abundante: «Existem jovens que não sabem o que fazer e vão para outras províncias ou para outros países. Existem jovens que não sabem utilizar as coisas que temos, não sabem o que fazer aqui. Ao invés, podemos permanecer, temos realmente tudo. Para mim, poder ficar aqui é uma oportunidade enorme». A gratidão pela oportunidade de permanecer na própria terra estimula Renzo a dar algo de si para outros jovens, para que também eles possam fazer o mesmo: oferece gratuitamente cursos de artesanato sobre o trabalho na madeira de cactos e anima una rede de artesãos locais incentivando-os a melhorar constantemente.

Italia. M. tem um olhar que vai lá no fundo e um doce sorriso. Não é possível imaginar que aquele sorriso seja um milagre: de Siracusa, dezoitos anos, passou quase toda a sua vida escondido na casa de sua mãe, por medo que fosse tirado dela pelos serviços sociais. Há pouco tempo parece ter descoberto o direito de existir: é feliz por ter sido descoberto pela polícia cultivando maconha em casa. Agora, se encontra em regime penal de liberdade condicional, mas desde o momento da sua apreensão começou “uma nova vida”. Ele conta com um olhar de profunda estima para com Gianvito, o presidente da cooperativa agrícola na qual atualmente ele trabalha cuidando da horta. Este trabalho é feito com a técnica aeropônica, cultivo em serra sem usar terra, que lhe tinha dado bons resultados com a maconha: hoje pode fazer frutificar essa técnica para o bem comum e à luz do sol.  N44 pag04 05 Progetti Italia rid web

M. é um dos cinquenta jovens que na Sicília estão aprendendo uma profissão através de estágios formativos, bolsas de trabalho e cursos de formação profissional, com o projeto “Criar sistema além de acolhida”.

H. é um deles, nigeriano, e está fazendo um estágio como estoquista na empresa de Claudio. O empresário diz que ele já é um braço direito e gostaria de admiti-lo o mais breve possível porque «é muito bom este rapaz». Tem também N. de dezenove anos, ganês, que sorri empurrando o carrinho enquanto cuida do jardim de uma sala de eventos muito conhecida: o proprietário mostra as fotos do dia de agosto no qual com ele e todos os colaboradores passaram um lindo dia na praia. Ele já é um da família.

Agora, a formação profissional dos jovens terminou e começa a segunda fase do projeto: a inclusão social e no mercado de trabalho, na Sicília e em outras regiões. Precisamos de empresas e famílias que, em toda a Itália, queiram acompanhar suas trajetórias de integração rumo à autonomia. Algumas delas já começaram: uma experiência que marca a vida, de quem acolhe e de quem é acolhido.

* Azione per un Mondo Unito onlus, ONG (Ação por um Mundo Unido) de cooperação internacional para o desenvolvimento: www.amu-it.eu

Siga-nos:

Alessandra Smerilli

11-03-2019

Na mesa com... por Paolo Bricco - publicado em Sole24ore, 10/03/2019 Tradução de Moisés...

11-03-2019

Na mesa com... por Paolo Bricco - publicado em Sole24ore, 10/03/2019 Tradução de Moisés...

A economia do dar

A economia do dar

Chiara Lubich

«Ao contrário da economia consumista, baseada numa cultura do ter, a economia de comunhão é economia da partilha...

Leia mais...

As tirinhas de Formy!

As tirinhas de Formy!

Conheces a mascote do site Edc?

O dado das empresas

O dado das empresas

A nova revolução para a pequena empresa.
Dobre! Jogue! Leia! Viva! Compartilhe! Experimente!

O dado das empresas agora também em português!

quem está online?

Temos 1017 visitantes e Nenhum membro online

© 2008 - 2019 Economia di Comunione (EdC) - Movimento dei Focolari
creative commons Questo/a opera è pubblicato sotto una Licenza Creative Commons . Progetto grafico: Marco Riccardi - info@marcoriccardi.it

Please publish modules in offcanvas position.

Este site utiliza cookies, também de terceiros, para oferecer maiores vantagens de navegação. Fechando este banner você concorda com as nossas condições para o uso dos cookies.