Ubuntu igual a compartilhar

A cultura de comunhão nos ajuda a olhar ao nosso redor, sem ficar fechados em nossa pobreza

por Geneviève A. M. Sanze

de "Economia di Comunione - uma nova cultura" n.41 - Encarte/separata da revista Città Nuova n.13/14 - 2015 - julho 2015

N41 Pag 05 Genevieve Sanze Autore rid dx«Eu sou aquilo que sou em virtude daquilo que todos, sem excluir ninguém, somos»
Um antropólogo propôs um jogo para as crianças de uma tribo da África do Sul. Colocou um cesto de frutas perto de uma árvore e disse aos meninos que o primeiro que chegasse ganharia todas as frutas. Ao ouvir o seu sinal, todas as crianças saíram contemporaneamente... segurando nas mãos umas das outras! Depois se sentaram para curtir a recompensa deles. Quando o antropólogo perguntou-lhes porque tinham feito dessa forma, responderam Ubuntu, ou seja: como é que um de nós pode ser feliz se outros estiverem tristes?

Esta tendência à solidariedade comunitária exprime a essência da cultura africana. Somos capazes de compartilhar alegria, sofrimento, bens, dificuldades. Mesmo se o indivíduo pode ter um papel significativo, não existe espaço para o individualismo egoísta. Este pode ser o dom do nosso continente para a humanidade, para a sociedade moderna global, hoje marcada pelo egoísmo, medo do outro, tendência a se fechar.

Talvez muitos de nós não poderão produzir riquezas ou criar postos de trabalho, mas com certeza podemos nos colocar em comunhão, a primeira resposta às situações de crise, gerando relacionamentos, paz confiança, com Deus e com os irmãos. A comunhão é mais importante do que qualquer riqueza econômica. Porém, não só comunhão entre uma pessoa em necessidade e a outra que oferece uma ajuda, a primeira comunhão é das almas, da vida, dos corações: todos tem coração, vida e alma para doar e compartilhar.

Temos que encontrar novas possibilidades para penetrar na cultura do outro, indo ao encontro da sua diversidade, reconhecendo a sua riqueza. Se estivermos preocupados somente em ajudar um povo, colocamos em relevo a sua pobreza e ele perde a sua riqueza, torna-se duplamente pobre, entrando assim, num círculo que o faz dependente de nós e de onde não consegue sair porque pensa que não é capaz. Chiara dizia: «É preciso colocar-se diante de todos na posição de quem está aprendendo».

N41 Pag 05 Belamy ridCom esta atitude dou à pessoa que está diante de mim a possibilidade de doar-me algo, faço com que ela se sinta importante porque preciso dela. Você pode dar uma casa para um pobre, que para ele é uma necessidade absoluta. Em troca, o pobre lhe dá um pedaço de tecido: o valor destes dons não pode ser comparado. O pobre não nem tentou entender se este tecido é importante para você, como o é a casa para ele, simplesmente ele lhe dá aquilo que tem de mais precioso. Se não aprendermos a valorizar aquele humilde tecido, nenhuma casa doada se tornará um bem-estar. Quem acolhe um dom tem que fazer antes a experiência de ser acolhido como dom. Aqui está o segredo da comunhão.

Voltando à África, a cultura de comunhão nos ajuda a olhar ao nosso redor, sem ficarmos fechados em nossa pobreza, sem estender as mãos esperando a ajuda do outro, mas a ser e a dar, juntos. Com a Economia de Comunhão vimos pessoas pobres reencontrarem a própria plena liberdade de vida, dignidade, alegria, responsabilidade, num relacionamento novo com a sociedade.

Siga-nos:

Alessandra Smerilli

11-03-2019

Na mesa com... por Paolo Bricco - publicado em Sole24ore, 10/03/2019 Tradução de Moisés...

11-03-2019

Na mesa com... por Paolo Bricco - publicado em Sole24ore, 10/03/2019 Tradução de Moisés...

A economia do dar

A economia do dar

Chiara Lubich

«Ao contrário da economia consumista, baseada numa cultura do ter, a economia de comunhão é economia da partilha...

Leia mais...

As tirinhas de Formy!

As tirinhas de Formy!

Conheces a mascote do site Edc?

O dado das empresas

O dado das empresas

A nova revolução para a pequena empresa.
Dobre! Jogue! Leia! Viva! Compartilhe! Experimente!

O dado das empresas agora também em português!

quem está online?

Temos 499 visitantes e Um membro online

© 2008 - 2019 Economia di Comunione (EdC) - Movimento dei Focolari
creative commons Questo/a opera è pubblicato sotto una Licenza Creative Commons . Progetto grafico: Marco Riccardi - info@marcoriccardi.it

Please publish modules in offcanvas position.

Este site utiliza cookies, também de terceiros, para oferecer maiores vantagens de navegação. Fechando este banner você concorda com as nossas condições para o uso dos cookies.