Noticiário EdC

Edc34_cover_it_ridEconomia de Comunhão - uma nova cultura - Encarte da revista Città Nuova n.23 - 2011 - 10 de dezembro de 2011

 

 

 

 

 

Uma nova fase: partilhar lucros e talentos

Diante da perspectiva de partilhar não somente os lucros, mas também os seus talentos, alguns empresários colocaram à disposição os próprios recursos para fazer nascer empresas EdC em outros  Paises e, para dar o início, o suporte financeiro de fundações.

de "Economia de Comunhão - uma nova cultura" n.34 - Encarte da revista Città Nuova n.23 - 2011 - dezembro de 2011

por Alberto Ferrucci
Alberto_FerrucciQuando jovens de várias nações leram a “Mensagem ao mundo” aos 1600 entre empresários e pesquisadores de 43 nações, reunidos no Memorial da América Latina em São Paulo, no Brasil, ficou evidente a determinação das novas gerações em contribuir pessoalmente para colocar em prática e difundir a cultura de comunhão do projeto EdC. Todos nós, que há anos trabalhamos no projeto, vimos quão preciosa é a busca de um salto de qualidade urgente, de uma nova estratégia para a difusão da cultura de comunhão no mundo para o qual ela nos foi dada.

Até hoje os recursos humanos e financeiros disponíveis muitas vezes foram para criar polos produtivos, para o resgate dos pobres e para a formação de homens novos, mais ainda no âmbito de quantos se sentiram chamados a aderir, principalmente próximos ao Movimento dos Focolares. Nestes anos, os nossos pesquisadores traçaram, das experiências dos que procuravam praticar esta cultura, as reflexões necessárias para elaborar fundamentos teóricos e os jovens, com suas teses, difundiram nas universidades, ativando assim um diálogo com o mundo acadêmico da economia e do desenvolvimento.

Leia mais...

O empresário EdC sempre mais “homem mundo”

de "Economia de Comunhão - uma nova cultura" n.34 - Encarte da revista Città Nuova n.23 - 2011 - dezembro de 2011

por Luigino Bruni

100917_Bruni_ridAcabamos de encerrar o ano EdC 2010-2011 e temos que reconhecer, com gratidão, que os frutos foram  abundantes. Um deles é muito eloquente e significativo: os lucros das empresas EdC aumentaram em 7,6%, chegando um valor aproximado de 770 mil euros, um total que obviamente não inclui as várias doações e partilhas de lucros que as empresas EdC fazem constantemente no quotidiano.

Este é um resultado muito positivo, considerando a crise econômica que atinge todos, e não posso não exprimir um sincero e profundo obrigado a todos os atores da EdC, este anos de maneira toda nova e particular aos empresários, pela fidelidade, a constância, em alguns casos de heroísmo que está por trás de cada lucro doado, e talvez mais ainda daqueles não doados porque de repene a empresa passa por dificuldades ou está com déficit. Certamente, não basta doar os lucros para que não exista «mais nenhum necessitado»: é preciso muito mais. Mas sem esses lucros doados a EdC não existiria, ou pelo menos não seria credível e nem imitável.

Leia mais...

Ecos da Assembleia EdC de São Paulo

Latino-americanas, mulheres, empresárias. Duas contribuições eficazes de quem vive a cultura da comunhão na administração.

de "Economia de Comunhão - uma nova cultura" n.34 - Encarte da revista Città Nuova n.23 - 2011 - dezembro de 2011

Líder e profeta

Gruppo_Colombia_ridEm São Paulo, mesmo se eu estava tocada pela atmosfera sobrenatural entre muitas pessoas de todas as partes do mundo, no início não conseguia entender a real novidade da EdC. Concordo, ela propõe dividir os lucros em três partes – uma para os pobres, uma para a formação e uma para reinvestir na empresa –, todas propostas já presentes no comércio equo, na responsabilidade social, na formação contínua e nas obras sociais de muitas empreas: qual, então, a novidade?

Entendi depois do primeiro dia. A novidade está na única resposta da EdC a toda pergunta do empresário: «Para amar»; mas como viver esse “amar” trabalhando numa economia voltada ao ter?
Naqueles dias compreendi que eu deveria praticar esse “amor” antes de tudo na minha vida de empresária, ficando numa contemplação permanente – isso mesmo: contemplação – fazendo com que Ele habite em mim por todos os meios, como a Eucaristia.

Leia mais...

A EdC na Ásia após vinte anos

Primeiro as Filipinas, depois Tailândia, Singapura, Coreia do Sul e Taiwan. Assim a difusão inicial no Extremo Oriente.

de "Economia de Comunhão - uma nova cultura" n.34 - Encarte da revista Città Nuova n.23 - 2011 - dezembro de 2011

por Teresa Ganzon

N32_pag._12_Teresa_Ganzon_2_webEm maio de 2011 completaram-se os vinte anos do lançamento, no Brasil, por Chiara Lubich, da Economia de Comunhão. O grande desafio de Chiara às empresas – colocar-se a serviço das pessoas necessitadas – foi difundido no mundo todo e chegou também na Ásia depois de poucos meses, por meio da gravação em vídeo do seu ato de fundação.

Desde então, a EdC se desenvolveu, afundando raizes primeiramente nas Filipinas, graças à resposta de profissionais, pensionistas e empresários, impulsionados pelo desejo de realizar um sistema econômico diferente, no qual o homem não seja somente um fator de produção, mas seja colocado no centro da atividade.

Nasceram vários tipos de empresas: do simples trabalho com crochê, que dava emprego a uma pessoa a lojinha que sustentava um casal, a uma empresa de consultoria empresarial, que começava sua atividade com um escritório em cima da garagem; outras empresas já existentes aderiram, como por exemplo uma pequena instituição financeira rural com vinte e cinco pessoas e uma empresa de distribuição.

Leia mais...

A Prodiet Nutrição Clínica no Polo Spartaco

O primeiro galpão do condomínio industrial está funcionando novamente, para produzir uma linha de qualidade.

de "Economia de Comunhão - uma nova cultura" n.34 - Encarte da revista Città Nuova n.23 - 2011 - dezembro de 2011

por Roseli Tortelli

Roseli_ridO dia 07 de outubro de 2011 é uma data importante para a nossa família, a realização de um sonho: ter algo “nosso”. A empresa nasceu em 1990 quando o Armando começou uma representação comercial de produtos para nutrição enteral, crescendo nos anos seguintes nesse ramo e também no ramo farmacêutico. Em 2004 o nosso filho mais velho, totalmente envolvido na direção da empresa, tinha manifestado o desejo de “criar” alguma coisa que fosse da família Tortelli e a idéia fluía para os produtos nutricionais, um setor ainda pouco explorado no Brasil. Partimos com um projeto de pesquisa com 14 produtos, que durou três anos e foi conduzido por uma equipe de três nutricionistas muito competentes. Tal pesquisa se desenvolveu nos laboratórios da Pontifícia Universidade Católica (PUC-PR), graças ao prof. Álvaro Cesar Camargo do Amarante que, tinha acabado de voltar da França com uma bagagem enorme de experiência nesse campo, escancarou-nos as portas.

Em julho de 2007, inauguramos no Polo Spartaco com Gabriel, nosso segundo filho, e Ana Paula Celes (respectivamente na administração e na direção), a Prodiet Nutrição Clinica que, mesmo já possuindo a nossa marca, ainda terceirizava a produção. Desde então, num notável trabalho de equipe, nos empenhamos para encontrar as melhores condições (conforme as exigências da Anvisa – Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para fabricar os nossos produtos e assim, completar todo o processo.

Leia mais...

Uma economia feita para a África

Congo e Quênia, Burundi e Costa do Marfim, Camarões e Angola: multiplicam-se as iniciativas ligadas à EdC.

de "Economia de Comunhão - uma nova cultura" n.34 - Encarte da revista Città Nuova n.23 - 2011 - dezembro de 2011

por Genevieve A. M. Sanze

110527_Ginetta_Genevieve01_ridSe alguém tinha dúvida que a Economia de Comunhão era adequada aos países de cultura africana, ela foi dissipada pelo resultado do Congresso Pan-africano de Nairobi 2011, no qual participaram empresários, estudantes e pesquisadores de 11 nações da África Sub-Sahariana. Foram precisamente os empresários e os jovens que sentiram a proposta EdC particularmente apropriada a eles: empenharam-se logo em fazer nascer pequenas atividades para amenizar os sofrimentos de suas comunidades e realizar a comunhão na África e no mundo.

No Quênia, uma jovem logo começou uma produção de tortas e, com fidelidade, partilha um terço dos lucros para os pobres e um terço para a formação de homens novos.

No Congo, a associação AecoMabl facilitou o início de uma empresa para a produção de sabão, de outra para o aluguel de carrinhos de mão, de dois comércios, uma de material elétrico, de uma plantação de pêssegos, de um moinho para cereais e de uma loja de produtos de primeira necessidade, num bairro pobre.

Leia mais...

LoppianoLab: uma esperança que torna-se realidade

Muito mais do que uma convenção tradicional, os quatro dias de laboratório reuniram empresários, professores e especialistas. Uma contribuição específica por parte dos jovens.

de "Economia de Comunhão - uma nova cultura" n.34 - Encarte da revista Città Nuova n.23 - 2011 - dezembro de 2011

por Ivan Vitali

Ivan_Vitali_ridSe alguém tivesse vindo para a LoppianoLab nos dias 15 a 18 de setembro com a expectativa de participar de uma convenção “normal” ou tivesse expectativas até mais ambiciosas, não teria voltado para casa desiludido: teria, de fato, encontrado um programa rico, palestrantes e professores de prestígio, empresários com experiências e histórias interessantes para contar, momentos artísticos e testemunhos de alto valor, hospitalidade e organização sempre à altura da situação.

Mas não se tratou de uma convenção normal. Para quem não pode estar presente, acredito que não seja possível replicar o valor e as sensações suscitadas em quem participou, nem mesmo colocando a disposição os vídeos de todas as palestras, de todas as explanações, de todos os dias.

Leia mais...

Descobrir-se empreendedor, acreditar sempre

Empreendedorismo e idealismo foram o incentivo desde jovem.  A empresa caminhava bem, mas eu não. Um relato pessoal.

de "Economia de Comunhão - uma nova cultura" n.34 - Encarte da revista Città Nuova n.23 - 2011 - dezembro de 2011

por Pietro Comper

Pietro_Comper_ridDesde jovem, me inseri logo no trabalho no setor metalúrgico e mecânico. Procurava o melhor modo para produzir mais e aumentar a qualidade do produto. Nasceu logo em mim, a consciência que seria capaz de ter o meu próprio negócio. Depois de casado, com minha mulher Maria Pia inicia esta aventura: produção de peças para elevadores e maquinários para uma multinacional. O meu objetivo era fazer minha mulher feliz ganhando muito, mas me dei conta que essa escolha não trazia a felicidade. Eu estava sempre com algum empenho, tanto que um dia ela me disse: «Você casou-se comigo ou com a empresa?».

Entendi que devia mudar. Eram os anos 80, um período de crises, mas pensei em criar com outros uma sociedade. Com outros sócios dividiríamos atribuições e eu poderia ter um tempo maior para a família. Porém, caí numa grande enrascada e, em poucos meses, foi preciso fechar a nova empresa.

Leia mais...

Identidade e futuro da EdC

Uma sondagem entre empresários oferece resultados relevantes e indica perspectivas inéditas.

de "Economia de Comunhão - uma nova cultura" n.34 - Encarte da revista Città Nuova n.23 - 2011 - dezembro de 2011

por Simona Di Ciaccio

Simona_Di_Ciaccio_ridUm questionário distribuído por ocasião da assembleia dos 20 anos da EdC, trouxe resultados interessantes e, em parte, inesperados. Das 319 pessoas que responderam, cerca de 60 por cento são da América do Sul. e 30 por cento europeus, quase 50 por cento mulheres e 44 por cento empresários.

Segundo os protagonistas da EdC, a «fraternidade» é o valor que expressa melhor a identidade do projeto, mais do que a «reciprocidade», «gratuidade» e «responsabilidade social».

Entre os motivos que incentivam os empresários a aderir a EdC – «contribuir para a fraternidade universal» é o fator decisivo. Estão convencidos disso 54 por cento de todos os entrevistados e 56 por cento dos empresários.

Quando se pergunta qual é o objetivo da EdC, 74,5 por cento dos empresários europeus respondem: «Inserir a fraternidade nas relações econômicas» e não somente «aumentar a comunhão dos bens dentro do movimento» e nem mesmo «reduzir as desigualdades de rendas numa esfera mais ampla». E finalmente: a fraternidade não motiva somente o risco das decisões do empresário, mas é o valor que orienta a sua criatividade na realização de um «novo humanismo, baseado na fraternidade».

Leia mais...

B2B, uma fórmula para fazer crescer a rede

Uma oportunidade que desenvolve as potencialidades das empresas EdC, o patrimônio de experiências e relacionamentos.

de "Economia de Comunhão - uma nova cultura" n.34 - Encarte da revista Città Nuova n.23 - 2011 - dezembro de 2011

por John Mundell

John_MundellEm outubro de 2011, das 800 empresas EdC, 219 (27%) já tinham se cadastrado o site B2B (business-to-business) (www.edc-info.org), e esperamos que em breve muitas outras empresas tomem conhecimento dessa oportunidade e entrem conosco nessa aventura.

Participar dessa rede global, de fato, é um dos maiores presentes que as empresas EdC podem oferecer umas às outras: o objetivo comum de promover uma sociedade na qual não exista mais nenhum necessitado, partilhando "missão” e “visão” empresarial, criam um laço especial entre empresas de diferentes países, atividades e dimensões. Permanecendo em contato, dividindo recursos e necessidades, sucessos e desafios, é possível viver uma verdadeira comunhão em nível global: é uma potencialidade importante oferecida pela rede, que pode ser sempre mais explorada e enriquecida. Prova disso, são os notáveis resultados atingidos graças a melhoria progressiva do site oficial de Economia de Comunhão (www.edc-online.org), que, disponibilizando sempre novas notícias e artigos, disponibilizou também importantes recursos para a difusão da EdC.

Leia mais...

Mais nove teses Edc

Mais nove teses Edc

por Antonella Ferrucci

n28_pag._11_antonella_ferruccide "Economia de Comunhão - uma nova cultura" n.34 - Encarte da revista Città Nuova n.23 - 2011 - dezembro de 2011

São nove as teses que chegaram para os nossos arquivos nos últimos meses: quatro como TCC ou monografia e cinco de mestrado ou pós-graduação. Todas as teses foram defendidas em universidades italianas, com uma predominância no Sul (cinco teses das nove) e feitas por estudantes mulheres (sete das nove). Foram duas as teses defendidas no Instituto universitário Sophia de Loppiano, por uma estudante chilena e por uma coreana.

Leia mais...

Siga-nos:

facebook twitter vimeo icon youtubeicon flickr

EoC-IIN

Logo Eoc iin 01 rid rid

International Incubating Network

leia mais...

Relatório EdC 2016

Cover Edc44 EN modUm ano de vida EdC, estratégias e perspectivas para o futuro. 

 Ir para a versão online

Aderir a EdC

EoC Companies crop banner rid modCadastre a sua empresa no novo site exclusivo: edc-info.org

Descubra mais...

Cidade Nova e EdC

pessoas edc003A revista Cidade Nova tem agora uma página dedicada à Economia de Comunhão, com relatos de pessoas envolvidas com o projeto.

Artigos já publicados:

Escola interamericana reunirá jovens empreendedores - 10/2015
A Aurora de uma nova cultura
- 09/2015
Comunhão e a crise grega - 08/2015
John Nash e a EdC
- 07/2015
Dado empresarial e a prática dos valores da empresa
- 06/2015
Nairóbi, capital de uma nova economia
- 05/2015
EdC e a qualidade do produto
- 04/2015
O lucro não monetário
 - 03/2015
Confiança e análise de risco - 02/2015
Economia e humanismo - 01/2015

O dado das empresas

Logo cube IT 150

A nova revolução para a pequena empresa.
Dobre! Jogue! Leia! Viva! Compartilhe! Experimente!

O dado das empresas agora também em português!

Documento de Identidade da EdC

logo_edc_benv A Economia de Comunhão (EdC) é um movimento que envolve empresários, empresas, associações, instituições econômicas, mas também trabalhadores, gestores, consumidores, poupadores, pesquisadores, operadores econômicos, pobres, cidadãos, famílias. Foi fundada por Chiara Lubich em maio de 1991 em São Paulo, no Brasil.
Leia mais... 

Linhas para a gestão de uma empresa de EdC

Binari_rid_modA Economia de Comunhão propõe às organizações produtivas que fazem própria a sua mensagem e a sua cultura, as “Linhas para a gestão de uma empresa”, escritas à luz da vida e da reflexão de milhares de empresários e trabalhadores...
Leia mais...

As tirinhas de Formy!

Ecco Formy rid mod

Conheces a mascote do site Edc?
Leia mais...

A economia da partilha

Chiara_Lubich_1Chiara Lubich

«Ao contrário da economia consumista,
baseada numa cultura do ter,
a economia de comunhão é
economia da partilha...

Leia mais...

Este site utiliza cookies, também de terceiros, para oferecer maiores vantagens de navegação. Fechando este banner você concorda com as nossas condições para o uso dos cookies.