Perspectiva 2031: mais inovação e criatividade

Perspectiva 2031: mais inovação e criatividade

por Luigino Bruni

 de "Economia de Comunhão - uma nova cultura" n.33 - Encarte da revista Città Nuova n.13/14 - 2011 - julho 2011

110528_Ginetta_BruniQuais desafios teremos que enfrentar e vencer se quisermos que daqui a 20 anos (e mais) a EdC esteja viva e fiel à sua vocação?
Um primeiro desafio diz respeito as empresas EdC. Nesses vinte anos estamos compreendendo, mesmo se com tantos erros, que a principal contribuição que a EdC oferece para aliviar a pobreza extrema e assim construir uma economia e um mundo de comunhão, não é primeiramente a redistribuição da riqueza (pegar dinheiro e recursos dos "ricos" para dá-los aos pobres), mas é a criação de uma nova riqueza, inserindo no processo as pessoas em dificuldades e desfavorecidas: criam-se novas "tortas" e não se cortam forma diferente somente as "fatias" de uma torta doada e criada num primeiro momento.

De fato, se quem recebe os benefícios da riqueza criada não participa já no início, e de uma maneira visível e concreta, no processo produtivo, é muito difícil que a ajuda não seja paternalista e assistencialista. Quando Chiara lançou no Brasil a EdC disse: "temos que gerar novas empresas", e não "temos que converter os nossos empresários para que sejam mais generosos e dêem mais".

A EdC, portanto, é sobretudo uma proposta produtiva não redistributiva, mesmo se os dois aspectos não se excluem entre eles, pois a EdC redistribui riqueza antes de tudo criando-a de outra forma, de maneira inclusiva, sustentável, fraterna, equitativa, onde se procura uma participação autêntica até mesmo dos colaboradores na gestão da empresa.

O primado da criação de riqueza sobre a redistribuição é um desafio que ainda deve ser assumido e desenvolvido seriamente, porque nesses vinte anos foi colocado muito em relevo, e com razão (porque co-essencial), o doar do empresário, muitos dos quais deram, muito, arriscando sem garantias, dando até quando a prudência nos negócios teria sugerido o acúmulo de reservas.

Mas, às vezes, este dar foi muito simplicista e se reduziu ao "dar dinheiro", e menos o "dar e criar oportunidades, criatividade, talentos, postos de trabalho...", esquecendo-nos assim de que o primeiro dom do empresário é fazer entrar em campo a sua vocação empresarial, que é um talento de solução de problemas, de criação de coisas novas, de inovação, de capacidade de mudar o mundo onde atua, e não dar por dar.

Este primeiro aspecto e uma fronteira importante a ser alcançada nos próximos anos, isto é, uma nova estação de entusiasmo, de criatividade, de novas ideias, novas empresas e novos projetos, para colocar os empresários, antigos e novos, talvez mais unidos como uma rede, no próprio lugar, que é um lugar de "costrutores” e inovadores que e não de filantropos generosos. O primeiro dom é sempre o dom da vida. E o empresário de comunhão doa a vida também e sobretudo inovando e criando coisas novas, fraternamente, oportunidades com e para os outros.

Temos um segundo passo a ser feito. Para que essa nova estação de projeção, de criatividade e de entusiasmo possa se tornar concreta, a EdC tem uma necessidade vital de relacionamento direto com as fisionomias reais e concretas da pobreza. Foi o que vimos nesses anos: as experiências mais fortes e proféticas são de quem vive em contextos onde a pobreza é bem visível e procura com a criatividade do ágape e da comunhão novas soluções. Se falta um contato direto com as pobrezas, nos protagonistas das empresa EdC, no decorrer dos anos não será mais claro o sentido profundo daquilo que fazem. Não pode ser suficiente recolher dinheiro na Europa, nos EUA ou nas regiões mais ricas dos nossos países para depois usá-lo em outros lugares do mundo. 

Uma metáfora que pode ajudar a entender esta nova fase é a da semente da árvore: se a semente não morre, permanece só; se morre, salva o seu DNA e pode tornar-se uma árvore. A primeira fase da EdC, aquele projeto de quase 800 empresas, que reúne algumas centenas de milhares de euros por ano para destiná-los aos projetos voltados essencialmente aos pobres do Movimento dos Focolares, deve necessariamente evoluir, "morrer" (evangelicamente), se transformar em outra coisa, que depois significa tornar-se aquilo que está inscrito no seu codigo genético, aquilo que ela é de verdade: uma estrada oferecida potencialmente para todos, para contribuir a "desmanchar" as coroas de espinhos não de um Movimento, mas do mundo.

A grande atração dos tempos modernos. Existe um escrito de Chiara (aqui ao lado) que é também uma carta magna da EdC de hoje e, ainda mais, dos próximos anos. A EdC, para se tornar aquilo que ela já é, terá então sempre mais que "perder-se no meio da multidão, para impregná-lo do divino, como se ensopa um naco de pão no vinho". Perder-se no meio da multidão, desaparecer, quase morrer, para impregnar a partir de dentro a sociedade e a economia. Mas existe algo a mais que nos espera: "Diria mais: partícipes dos desígnios de Deus sobre a humanidade, traçar sobre a multidão recamos de luz e, ao mesmo tempo, dividir com o próximo a injúria, a fome, os golpes, as alegrias fugazes". Aqui pode-se enxergar uma tarefa de luz, de visão, saber indicar o sentido da história, os sinais dos tempos, ser farol e luz para muitos: a EdC foi, já é a ainda não, também isso, quando é estimada porque nela se vê uma perspectiva, que é um dom para todos. Mas "ao mesmo tempo", partilhar com o homem do nosso tempo os sofrimentos, a fome, as injúrias e as alegrias. A fome e a alegria de todos, do nosso povo, que anseia e espera, talvez até sem saber, uma economia de comunhão.

Este site utiliza cookies, também de terceiros, para oferecer maiores vantagens de navegação. Fechando este banner você concorda com as nossas condições para o uso dos cookies.