Do Pólo Lionello

Do Pólo Lionello

por Aurelia Nembrini e Nada Maffoni

em "Economia de Comunhão - uma nova cultura" nº 31 - maio de 2010


Domingo, 18 de abril de 2010, 350 visitantes vindos de todas as regiões da Itália, para uma visita à cidadezinha/cidadela de Loppiano, foram ao pólo para saberem mais sobre o projeto da Economia de Comunhão; “Comunhão e fraternidade no trabalho” foi o título da jornada. Os hóspedes, distribuídos em quatro diferentes pontos do edifício, através do relato de empresários e empregados, de fatos concretos sobre o trabalho, conheceram em profundidade a experiência da atividade do pólo.

No dia 26 de abril, no cinquentenário da morte de Adriano Olivetti, realizou-se uma reunião com o título: “A idéia de comunidade no agir da empresa”. O 100426_Olivetti_01encontro foi proposto pela Associação Vita Eudaimonica e pelo seu presidente, o filósofo Alberto Peretti, estudioso do pensamento olivettiano. Durante o encontro, foram ilustrados os conceitos chave do pensamento de Olivetti, empresário iluminado. O professor Peretti colocou em relevo como o pólo das empresas que fazem parte da Economia de Comunhão, constitua a ponta da economia do futuro, capaz de basear-se em uma idéia de vida digna de ser vivida, onde o trabalho não é somente uma oportunidade de crescimento econômico, mas é também motor de um mundo mais digno.

É preciso inserir no mercado uma nova energia, a qual se obtém enxertando lógicas de dom, de gratuidade. “Fazer negócios significa valorizar aquilo que se faz – disse Peretti aos participantes do encontro – no pequeno, com as nossas empresas podemos mudar o mundo”. A autenticidade é exigida seja do empresário, seja da sua ideia de empresa, dentro da qual também as forças espirituais deveriam encontrar espaço.

O economista Bruni evidenciou de modo particular a atitude em formar comunidades sobre as quais se baseia a Economia de Comunhão e a importância que é dada a alguns valores tidos como fundamentais pelas empresas: o amor pela beleza; a vocação a ser empresário, a capacidade de idealizar uma empresa-projeto onde a busca da felicidade tem um papel muito importante; o sentir-se parte de uma comunidade maior que pode mudar a própria cidade.


A livraria “L’Arcobaleno”, empresa sediada no pólo, contou a própria experiência, ressaltando a importância do colocar em comum nos momentos de crise, também as necessidades. O empresário, quase um ‘artista’, que constrói a cada dia a sua empresa, na certeza que se pode sempre “dar”, basta abrir o coração.
Na conclusão do encontro, Luigino Bruni apresentou o livro de Isaline Bourgenot Dutru sobre François Neveux “A Utopia em ação”, da editora Città Nuova. François com uma extraordinária capacidade de invenção – tanto que depositou umas 35 patentes – viveu desde o início o seu trabalho com uma atenção às relações interpessoais fora do comum. Quando conhece o projeto da Economia de Comunhão, desloca-se para o Brasil onde coloca à disposição, para o desenvolvimento desse projeto, o talento e a experiência profissional e o seu dinheiro. Através da história contada por quem o conheceu, a autora percorre a sua aventura profissional e humana. Na apresentação, testemunhou Carlos Henrique Iazzetti Santos, estudante brasileiro de economia que o conheceu e que nele se inspirou.

Também no 1° de Maio, no 40° Encontro dos jovens, o pólo ficou cheio de centenas de pessoas. “Youth at work (jovens no trabalho) construindo um sonho” foi o título da jornada que iniciou percorrendo, à escolha, um ou mais dos 8 “caminhos” de paz: 8 áreas temáticas, da paz  à redução dos armamentos, passando pelo ambiente, o esporte/desporto, a cultura, a economia. Workshops, debates, concertos, laboratórios: os jovens estão trabalhando por um presente e um futuro partilhado. Os jovens envolvidos na preparação do fórum de caráter econômico viram no Pólo Lionello a sede natural para este “caminho”, pelo testemunho eficaz de uma economia para o homem. Duas jornadas, 1° e 2 de maio, onde os jovens participaram do programa com grande interesse. O ponto central do fórum foi o discurso dos especialistas: Alberto Frassineti traçou as linhas da atual crise, identificando as suas causas profundas no contexto de um vazio cultural, que só pode ser preenchido recuperando na vida pessoal e comunitária a dimensão relacional, levando novamente a economia à sua autentica natureza, àquela “civil”. Eva Gullo, na qualidade de presidente da EdiC SPA, apresentou o Pólo Lionello, colocando em luz a natureza carismática e a extrema atualidade do projeto EdC. As experiências de alguns jovens colocaram em relevo a importância da contribuição das novas gerações no projeto.
Para coroar a programação, a visita às empresas, com a possibilidade de diálogo com os empresários, dos quais os testemunhos contracorrente, na vida quotidiana deixaram uma marca.
Uma jovem de 28 anos escreveu: “Vou embora feliz, com algo que escutei no Pólo Lionello: é preciso viver no ambiente de trabalho amando o próximo e fazendo tudo por amor. E isso já se poderia até saber... o algo a mais que eu entendi é que se faz tudo por amor e com amor, sim para mudar as coisas, mas especialmente porque é amando que encontramos as nossa realização”. 

Encontros com os acionistas
No Pólo Lionello encontram-se os acionistas da Ligúria, Piemonte e Valle d’Aosta. Em Bra, no lindo Centro Mariápolis Villa Moffa, estiveram presentes mais de 80 acionistas. Foi um momento de conhecimento, aprofundamento e conversa entre alguns conselheiros da administração e os acionistas sobre a realidade atual do Pólo Lionello e sobre os projetos futuros.
Entre outras coisas, foi explicado aos sócios que estão já em atividades os sites Web totalmente renovados, seja do Pólo Lionello, (www.pololionellobonfanti.it) que tem um serviço de Páginas Amarelas para as empresas EdC, seja aquele da EdiC SPA (www.edicspa.it) com todas as informações sobre a sociedade. Nesses estão disponíveis todas as informações sobre atividades de formação e atividades culturais e sobre a programação dos encontros do pólo. Esses foram vistos como instrumentos úteis para formar a rede entre acionistas, empresários, etc.
Veio em relevo o desejo, da parte dos acionistas, que a EdiC SPA desenvolva uma função de ajuda ao desenvolvimento de novas atividades empresariais e de sustento àquelas que já existem no pólo. Alguns acionistas quiseram aproveitar do aumento do capital em curso para subscrever ações e poder contribuir para o desenvolvimento do pólo.

Próximos encontros
De 16 a 19 de setembro no pólo se realizará a Expo 2010, um laboratório de diálogo e criatividade, um espaço de encontro que terá como protagonistas os empresários EdC de toda a Itália que, nesta ocasião, farão também o seu encontro anual.
Em um entrelaçado de fóruns, mesas redondas, apresentações de produtos e serviços, será possível encontrar-se para momentos de conhecimento e conversas entre empresários, gerentes, operadores econômicos, sociais e culturais sobre uma economia ao serviço do homem e da sociedade.
Sobre o pano de fundo da cidadezinha/cidadela de Loppiano, a Expo também verá comporem-se num único projeto, os momentos culturais em colaboração com o Instituto Universitário Sophia e a revista Città Nuva (que irá realizar também aqui o seu encontro anual).
Um dos momentos mais significativos será o dia 18 de setembro, dia em que, no auditório de Loppiano, se realizará o encontro com o tema: “uma Cidade, uma Cultura, uma Economia de Comunhão”.

Este site utiliza cookies, também de terceiros, para oferecer maiores vantagens de navegação. Fechando este banner você concorda com as nossas condições para o uso dos cookies.