Confiança e diálogo

A propósito da comunhão na empresa, contra a “gestionite”

Confiança e diálogo

por Anouk  Grevin

em "Economia de Comunhão - uma nova cultura" nº 31 - maio de 2010 

N31_Pag._25_Anoulk_GrevinEstou a fazer um doutoramento em Management [Gestão], na Universidade de Nantes; estou inserida numa equipa de pesquisa interdisciplinar que estuda o impacto da multiplicação dos novos instrumentos de gestão sobre o sofrimento e o bem-estar dos trabalhadores. Desenvolvemos pesquisas com uma abordagem qualitativa do tipo “action-research”, isto é, uma pesquisa-consultoria, a pedido dos dirigentes da empresa estudada.

Realizámos entrevistas aprofundadas a todos os funcionários, de todos os sectores e graus. Inicialmente observámos o trabalho e depois, após ter analisado os dados recolhidos, apresentámos um quadro da situação a um grupo de gestores e colaboradores escolhidos para preocurar em conjunto soluções adequadas. Actualmente ocupo-me do estudo das organizações no âmbito da saúde: clínicas, casas de saúde...
Aquilo que veio em evidência, desde as primeiras organizações que estudámos, é o grito dos trabalhadores que evidenciam que não há nenhuma comunicação. Todos sublinham a falta de quem os ouça; os gestores estão tão ocupados que já não veem o trabalho que realizamos – dizem-nos os funcionários – e os problemas que encontramos.
Apesar disso, os dirigentes fazem tudo para comunicar, para desenvolver uma gestão participativa, com muitas reuniões e grupos de trabalho. Mas, no fundo, o diálogo não existe. A informação, abundantíssima, tomou o lugar da comunicação, da relação.

Assim a gestão, com todos os seus instrumentos, excluiu uma outra dimensão vital da gestão, que é a atenção à animação da equipa de trabalho e ao apoio dos seus esforços. A pairar sobre tudo isso, há sentimentos de desencorajamento, de desconfiança e, em consequência, a adesão de muitos trabalhadores a um sindicato muito reivindicativo e propenso às greves.

O setor da saúde caracteriza-se pela multiplicidade de normas e por uma forte pressão por parte das entidades públicas para a redução de custos. Isto significa que só quem é capaz de apresentar números muito rigorosos sobre a sua actividade está em posição de negociar novos recursos.

Mas a multiplicação das normas e dos procedimentos dos sistemas de controlo e de prestação de contas, tem um impacto negativo sobre os trabalhadores que geralmente, nestes ambientes, são levados por lógicas vocacionais, que os impelem a dar-se sem medida: já não há espaço para a gratuidade, para o dom.

Uma das propostas feitas pela nossa equipa de pesquisa foi a de valorizar no interior das empresas “espaços de partilha e confronto”, isto é, lugares e momentos onde se podem discutir problemas, propostas, necessidades, para encontrar soluções em conjunto. Constatámos que onde faltam estas “áreas” ou, pior ainda, onde esta interação é impedida, as equipas encontram dificuldades, com consequências evidentes na qualidade de vida dos empregados.

Uma condição essencial para que haja um verdadeiro diálogo é que, entre todos, haja a máxima confiança. Esta pareceu-nos ser ao mesmo tempo a condição essencial, mas também um produto do diálogo. Nas empresas estudadas por nós, perante a profunda desconfiança que se foi criando a todos os níveis e que destrói as relações, parece que os gestores não sabem como fazer.

A confiança e o diálogo são de facto bens de um valor inestimável para  as empresas – e os gestores apercebem-se quando eles diminuem, porque as consequências têm custos elevadíssimos. Precisamente porque são bens relacionais, quem perdeu de vista ou deixou morrer a relação, deixa de saber reconstrui-los.

E não é por falta de vontade, mas sim porque os gestores são como “aspirados” para o alto e para fora. Dado que os acionistas fazem exigências cada vez mais fortes e  requerem cada vez mais prestação de contas, a principal preocupação dos dirigentes é apresentar aqueles números que exprimem o trabalho realizado e o valor criado. Mas nesta corrida desenfreada perde-se de vista a relação.

Os gestores estão muito interessados nos que estão no vértice da empresa e assim perdem de vista a gestão para dentro e para baixo, constringindo os trabalhadores a utilizar instrumentos cada vez mais complexos que bem depressa, porém, tornam o trabalho mais difícil. A esta “doença” chamámos nós “gestionite”, que é a doença da perda da relação, da gratuidade.

Siga-nos:

Alessandra Smerilli

11-03-2019

Na mesa com... por Paolo Bricco - publicado em Sole24ore, 10/03/2019 Tradução de Moisés...

11-03-2019

Na mesa com... por Paolo Bricco - publicado em Sole24ore, 10/03/2019 Tradução de Moisés...

A economia do dar

A economia do dar

Chiara Lubich

«Ao contrário da economia consumista, baseada numa cultura do ter, a economia de comunhão é economia da partilha...

Leia mais...

As tirinhas de Formy!

As tirinhas de Formy!

Conheces a mascote do site Edc?

O dado das empresas

O dado das empresas

A nova revolução para a pequena empresa.
Dobre! Jogue! Leia! Viva! Compartilhe! Experimente!

O dado das empresas agora também em português!

quem está online?

Temos 497 visitantes e Nenhum membro online

© 2008 - 2019 Economia di Comunione (EdC) - Movimento dei Focolari
creative commons Questo/a opera è pubblicato sotto una Licenza Creative Commons . Progetto grafico: Marco Riccardi - info@marcoriccardi.it

Please publish modules in offcanvas position.

Este site utiliza cookies, também de terceiros, para oferecer maiores vantagens de navegação. Fechando este banner você concorda com as nossas condições para o uso dos cookies.