Amar o inimigo

 

Amar o inimigo

por Germán M. Jorge

Ligou-me  para o telefone o gerente de produção da fábrica de cimento que é o nosso N30_Germnprincipal concorrente na área a perguntar se podíamos vender uma certa quantidade de cimento, porque os outros fornecedores já não lhe concediam crédito.
Era evidente que eles estavam passando por um  momento muito difícil do ponto de vista financeiro, devido à separação da sociedade familiar e as consequências que este facto estava gerando.

Eu sabia que a situação era grave e senti dentro de mim que chegara o momento que tanto tinha esperado: tinha a oportunidade de mudar a história! Este concorrente tinha agido fortemente contra mim no mercado e até dissera a outros colegas que o seu erro tinha sido o de me ter deixado levantar a cabeça.

A conversa foi mais ou menos assim:
- Não se preocupe, você terá o cimento na segunda-feira.
- Mas eu não sei se os cheques estarão prontos para a segunda-feira, há dois meses que não recebo o meu salário.
- Não tem problema, ligue-me quando estiverem prontos.
- Quanto dinheiro terei que pagar?
- Seguramente que agora paga o que eu pago. Vai-me pagar esse mesmo valor.
- Mas assim não ganha nada.
- Não faz sentido que nesta transação eu ganhe.
- Vocês nunca vão ser meus clientes e agora precisam de uma ajuda.

N30_Impiegati_DimacoAgradeceu-me e a conversa ficou por aí. A plenitude e felicidade que eu senti naquele momento - posso garantir-vos - valem muito mais do que o cimento! Senti-me completamente realizado como ser humano. Isto causou uma certa surpresa nos meus empregados que no início não entendiam e tive que lhes explicar que o mais importante não foi o facto em si, mas o que ele pode gerar, dentro e fora de nossa empresa. Naquele mês alcançamos recordes de vendas e, no meio desta crise que vivemos, conseguímos vender cerca de 30% a mais do que no mesmo período do ano anterior.

Esta maneira de nos relacionarmos, colocando-nos ao serviço dos outros, provocou uma cadeia de recomendações que reforçou a nossa reputação e nos oferece novas oportunidades de negócio a cada dia que passa, quase sem ter que ir à procura. Se as empresas descobrissem a utilidade, nomeadamente económica, que a EdC, vivida com radicalidade, gera, não hesitariam em pô-la em prática.

Siga-nos:

Alessandra Smerilli

11-03-2019

Na mesa com... por Paolo Bricco - publicado em Sole24ore, 10/03/2019 Tradução de Moisés...

11-03-2019

Na mesa com... por Paolo Bricco - publicado em Sole24ore, 10/03/2019 Tradução de Moisés...

A economia do dar

A economia do dar

Chiara Lubich

«Ao contrário da economia consumista, baseada numa cultura do ter, a economia de comunhão é economia da partilha...

Leia mais...

As tirinhas de Formy!

As tirinhas de Formy!

Conheces a mascote do site Edc?

O dado das empresas

O dado das empresas

A nova revolução para a pequena empresa.
Dobre! Jogue! Leia! Viva! Compartilhe! Experimente!

O dado das empresas agora também em português!

quem está online?

Temos 759 visitantes e Nenhum membro online

© 2008 - 2019 Economia di Comunione (EdC) - Movimento dei Focolari
creative commons Questo/a opera è pubblicato sotto una Licenza Creative Commons . Progetto grafico: Marco Riccardi - info@marcoriccardi.it

Please publish modules in offcanvas position.

Este site utiliza cookies, também de terceiros, para oferecer maiores vantagens de navegação. Fechando este banner você concorda com as nossas condições para o uso dos cookies.