A encíclica e um mercado "fraterno"

Entrevista com Stefano Zamagni

A encíclica e um mercado "fraterno"

por Paolo Lòriga
publicado na Città Nuova nº.15/2009

Stefano Zamagni, professor de economia na Universidade de Bolonha, é consultor do Conselho Pontifício da Justiça e Paz, um organismo que segue os temas abordados pela “Caritas in veritate”.

Qual é o ponto que considera mais inovador da "Caritas in veritate"?

- Um primeiro ponto é um convite para superar a separação entre a esfera económica e a esfera social. A modernidade, nos últimos três séculos, deixou-nos um modelo de sociedade, segundo a qual há, por um lado, a esfera da economia, com a sua lógica férrea que não admite ser submetida a qualquer juízo, tanto é que se diz: "Negócio é negócio". Em segundo lugar, há a esfera social, em que a compensação ocorre. Ou seja, o social deve prover a tudo o que a economia de mercado capitalista é incapaz de produzir no plano da justiça e da equidade. Não esqueçamos que o welfare state, o estado social, é filho dessa lógica de separação. O pensamento do século XIX e, principalmente, no século XX – quer se posicionasse politicamente no lado liberal ou no estadista - manteve esse modelo inalterado. Pois bem, a encíclica de Bento XVI diz-nos que esta é uma velha maneira de pensar, porque entrámos na sociedade pós-industrial e, portanto, o elemento social deve entrar dentro do económico, e não à margem ou mais tarde. É um notável avanço, que pode permitir que o mercado volte a ser um instrumento de civilização das relações e das estruturas que gera.

A encíclica assume o princípio da fraternidade na esfera económica. Quais as razões?

- Bento XVI dá centralidade ao princípio da fraternidade. Eis outro ponto inovador e entre os mais intrigantes pelos efeitos que pode gerar. A literatura socioeconómica destaca há tempos que hoje as pessoas anseiam por felicidade, mas para garantir esse objectivo uma sociedade tem que ser fraterna. A solidariedade não é suficiente, esta que é uma condição que tende a tornar os diferentes em iguais, enquanto que a fraternidade permite aos iguais serem diferentes. Uma sociedade fraterna é também solidária, mas o contrário não é verdade. Portanto, é um passo em frente. É importante que nesta encíclica apareça explicitamente o princípio da fraternidade, porque até mesmo a literatura mais avançada de economia e de questões sociais subestimaram, salvo raríssimas excepções, a necessidade de uma sociedade fraterna. E a fraternidade não é senão a tradução, em termos económico-práticos, do princípio da reciprocidade. Eis porque na encíclica se fala várias vezes de reciprocidade.
- Deve dizer-se, por fim, que a categoria de pensamento da fraternidade não é uma novidade absoluta, porque é mérito da escola de pensamento franciscana já a partir do século XIII até à Revolução Francesa: foi escrito na bandeira - liberdade, igualdade e fraternidade. Mas depois da Revolução Francesa, a palavra fraternidade foi cancelada e banida. Ora com esta encíclica pode-se voltar a falar de fraternidade e a considerá-la como uma categoria de pensamento.

A inclusão na encíclica do princípio da fraternidade é devida à eclosão da crise financeira?

- Não. A "Caritas in veritate" destaca os limites intrínsecos do capitalismo: o de identificar um fim - a maximização  do lucro - e torná-lo o objectivo para toda a sociedade. Isso não significa que o lucro seja condenável, mas condena-se quando se torna a única razão. A encíclica reafirma que o mercado é uma maneira de organizar a actividade económica, mas propõe a superação do capitalismo. Quanto ao princípio da fraternidade, a encíclica indica exemplos que são uma novidade: fala-se de empresas não capitalistas, tais como as empresas cooperativas, as sociais, as da Economia de Comunhão. São verdadeiras empresas, porque produzem para o mercado, mas não têm o objectivo de maximização do lucro. Estas empresas não devem ser consideradas como tais? A lógica da separação mencionada anteriormente tenderia a dizer que estas pertencem ao social. Mas a encíclica diz: não, elas pertencem à economia. São aquela minoria profética que demonstra que é possível estar dentro do mercado, respeitando as suas regras, na prossecução de fins de utilidade colectiva ou social.

Este site utiliza cookies, também de terceiros, para oferecer maiores vantagens de navegação. Fechando este banner você concorda com as nossas condições para o uso dos cookies.