A Aurora de uma nova cultura

A valorização das relações interpessoais como base para a difusão de uma cultura mais fraterna em todas as etapas da formação

por Thiago Borges

publicado em Cidade Nova, 09/2015

1509 CidadeNova EscolaAurora1A cultura da partilha, em detrimento daquela que privilegia o acúmulo de bens materiais, é um dos pilares da Economia de Comunhão. Tanto é que as empresas que integram o projeto são convidadas a destinar parte de seus lucros à promoção dessa cultura. Um empresa em particular conseguiu fazer dessa visão de mundo o seu diferencial no mercado: a Escola Aurora.

A instituição oferece Educação Infantil e ensinos Fundamental e Médio. Além da instrução formal, a Escola Aurora tem uma atenção especial para os relacionamentos entre alunos, professores e funcionários. O compromisso maior é sempre com a formação integral do ser humano, como conta a diretora, Ana Maria Correa. Segundo ela, a cultura da partilha é trabalhada “dentro de contextos e reflexões”.

Posso dar um exemplo. Existe um livro que é dado na aula de espanhol que conta a história de uma família espanhola que vive no Peru ou na Bolívia, não me lembro exatamente. Na história tem uma menina que trabalha na casa dessa família e tem a mesma idade da filha desse casal espanhol. E ela fica um pouco chocada porque a menina tem a idade para ser sua amiguinha, mas está trabalhando para ela porque não tem as mesmas oportunidades.1509 CidadeNova EscolaAurora2 A professora percebeu que os alunos não entendiam direito, viam aquilo como algo natural. Então a professora pesquisou na internet e encontrou um vídeo de uma criança que trabalha numa mina e que tem as mãos todas destruídas pelo trabalho. Quando os alunos viram a imagem, eles se deram conta da situação. Então a gente mostra a situação e dá a reflexão. A partir da reflexão nascem as atitudes. E isso é feito ano a ano. Acaba culminando em algumas ações concretas, como a ação do Natal. No ano passado, a ação do Natal foi feita com a Educação Infantil. A ideia era o aluno trazer o brinquedo que mais gostava em bom estado para doar. Chegou uma hora que a gente não sabia mais onde pôr brinquedo”, conta Ana Maria. Ela reconhece, porém, a dificuldade de essa cultura penetrar na sociedade de hoje, que já tem “enraizado” um paradigma de consumo.

A empreitada não é simples, mas a escola aposta na valorização das relações interpessoais como base para a difusão de uma cultura mais fraterna em todas as etapas da formação. “O relacionamento que se tem na escola permeia toda a equipe e é passada aos alunos. Às vezes se fala de caldo cultural na educação. Essa questão do relacionamento educa mais do que mil palavras. É um diferencial grande, que é uma prioridade para toda a equipe”. Por consequência, a escola acaba formando pessoas preparadas para lidar com as diversidades e adversidades das interações sociais e os alunos colhem frutos importantes no futuro.

Teve um ex-aluno formado aqui na escola que nos procurou para contar que, quando foi procurar o primeiro emprego, ele participou de uma seleção de 2 mil candidatos para duas vagas”, relata a diretora. “Na primeira etapa selecionaram dez. Na segunda fase foi avaliado exatamente o relacionamento. E ele foi selecionado. Então veio nos dizer que só passou na vaga porque tinha estudado aqui”.

Este site utiliza cookies, também de terceiros, para oferecer maiores vantagens de navegação. Fechando este banner você concorda com as nossas condições para o uso dos cookies.