Um mundo a recomeçar a partir da mulher e do “Tu”

Economia - Léxico do bem-viver social/15

por Luigino Bruni

publicado em Avvenire em 05/01/2014

Logo nuovo lessicoA crise fez tantos e tão grandes desmentidos a previsões – na aparência rigorosamente científicas – avançadas por economistas que não deveremos admirar-nos que alguém se tenha sentido autorizado a proclamar a bancarrota da Economia política ... A tais vozes, por certo caluniosas, não veio a faltar uma atenuante: muitos economistas pecaram por falta de modéstia”. Estas palavras de Robert Michels, politólogo e autor do primeiro livro com o título “Economia e felicidade” (1917), foram pronunciadas em 1933, mas parecem dos nossos dias.

A falta de modéstia, ou soberba, não é prerrogativa apenas da ciência económica; é uma nota antropológica universal. Em certas épocas, porém, a comunidade dos economistas foi afetada por uma imodéstia especialmente obstinada e difusa. Perante evidentes deficiências e erros da sua disciplina, em vez de se deixarem pôr em crise pela força dos factos e, humildemente, reverem antigas certezas e dogmas, obstinadamente reenviaram as críticas ao remetente. É o que acontece na época atual; e é cada vez mais forte a necessidade de uma profunda revisão de muitos dogmas e axiomas da prática e da teoria económica.

A economia nasce inteiramente confinada dentro dos limites da casa (oikos), distinta e separada da política (polis). A economia terminava quando o homem (masculino, adulto, livre, não trabalhador manual) deixava o oikos e se dirigia à polis. O oikos com as suas regras de gestão era o reino da hierarquia desigual e da mulher, enquanto a política era o reino do homem e dos relacionamentos entre iguais. Durante toda a antiguidade e a idade pré-moderna a oikonomia conservou esta acepção doméstica, prática, interna e normalmente feminina. A partir do séc. XVIII o substantivo ‘economia’ começou a ser acompanhado por novos adjetivos: política (Smith e Verri), civil (Genovesi e muitos outros), pública (Beccaria), social (muitos autores), nacional (Ortes). Adjetivos qualificativos que pretendiam sublinhar que a economia já não era a administração da casa, nem tampouco a "oikonomia da salvação" ou a "Trindade económica", o outro significado de oikonomia usado pelos Padres da Igreja, muito difundido até à Idade moderna. O adjetivo político (e semelhantes) qualificou muito a economia moderna relativamente à antiga. Fundindo o económico com o político (economia política), dois campos que tinham ficado separados durante milénios, algumas categorias típicas da política passaram para dentro da economia. Mas mais forte ainda foi a influência oposta, se pensarmos na força com que a linguagem, a racionalidade e a lógica económica estão a migrar da economia para a política, com efeitos normalmente deletérios. Entre eles, a forte tendência para fazer uma leitura da vida pública a partir da perspetiva dos vínculos de balanço, eficiência e custo-benefício económicos que está produzindo um dumping democrático sem precedentes que é um dos traços culturais mais generalizados e preocupantes do tempo que vivemos.

Mas há um segundo elemento decisivo sobre o qual deveríamos coletiva e politicamente refletir muito mais. A contaminação entre economia e política não trouxe consigo um protagonismo político ou público da mulher, a quem estava originariamente associada a oikonomia. Pelo contrário, continuou-se a pensar na ‘casa’ como reino do feminino e da economia doméstica; e nos seus princípios teóricos e axiomas antropológicos a economia, tornando-se política e pública, perdeu a mulher e o seu específico olhar sobre o mundo e sobre os viventes, com consequências graves e subavaliadas.

Esta (di)visão encontramo-la teorizada com extrema clareza por Philip Wicksteed, importante economista inglês do século passado, também pastor protestante e tradutor de Dante. No coração do Commonsense of political economy, 1910 – o seu mais conhecido e influente tratado – encontra-se precisamente a análise do comportamento da “dona de casa”. Quando se movimenta no interior das paredes domésticas, move-se pela lógica do dom e do amor aos “tu” que tem perante si. Mas logo que sai da economia doméstica para ir ao mercado, deixa o traje de casa e veste o da economia política, cuja lógica deve ser a que com um neologismo Wicksteed chama “não-tuísmo” (do ‘tu’ latino): àquela dona de casa apenas é permitido (pelos economistas) procurar através do mercado o bem de todos, exceto o bem de quem está diante de si num encontro económico: “A relação económica não exclui da minha mente todos exceto eu [egoismo]; ela inclui potencialmente todos exceto tu [não-tuismo]”. Deste modo a economia supera o egoísmo (“todos exceto eu”) mas perde a relação pessoal dentro da económica (“todos exceto tu”).

A ‘dona de casa’ poderá exercitar as notas típicas do ’encontro verdadeiro com o ‘tu’ – gratuidade, empatia, cuidado … – apenas na esfera privada; não na esfera pública que fica definida inteiramente pelo registo de instrumentalidade, pela ausência do “tu” e pela presença de sós e solitários ‘ele’, ‘ela’ e ‘eles’. E tudo isto porque alguém estabeleceu com um a priori que as características relacionais e emotivas, mais típicas (mas não exclusivas, obviamente) da mulher, não são coisa séria e racional para a séria e racional esfera económica. Pena é que, quando falta o rosto do “tu” que tenho à minha frente, em qualquer ambiente humano, falta o único rosto verdadeiramente concreto, e assim nada mais resta que uma economia sem rosto, e portanto desumana. Mas, o que é pior, produzimos uma economia que não vê, e por isso não entende, os típicos bens que precisariam de categorias diversas da lógica não-tuística; nessas categorias encontram-se os bens comuns, os bens relacionais, a lógica da ação plural, as racionalidades não instrumentais, e muitas, demasiadas, outras coisas. O não-tuísmo continua ainda a ser um pilar da atual ciência económica. E sempre que na economia real um fornecedor olha o outro nos olhos e, movido por compaixão, lhe concede um maior prazo de pagamento; ou quando um trabalhador vai além do contrato e atende um cliente em dificuldade, o economista “puro” considera estas exceções como atritos, contratos incompletos, custos que devem ser reduzidos possivelmente a zero. Na realidade, quanto mais empresas e bancos se tornam grandes, burocráticos e geridos racionalmente, tanto mais estes atritos ‘tuísticos’ são reduzidos – mas não desaparecem completamente e não hão-de desaparecer enquanto nas organizações existirem seres humanos.

Mas a realidade das coisas é outra. Sabemos que as ações ‘tuísticas não são atritos ou simples custos; elas fazem parte daquele óleo invisível mas realíssimo que faz com que as organizações não encravem; faz rodar as complexas engrenagens humanas mesmo em tempo de crise, quando contratos e eficiência já não bastam. Providencialmente, a economia real vai para a frente apesar das teorias económicas e de gestão; mas hoje é necessária a coragem cultural de denunciar este sofrimento, em boa parte evitável, causado por uma antropologia obsoleta e por uma ideologia económica a uma só dimensão. Não esqueçamos que, diferentemente do que sucedia em séculos passados quando a esfera pública era monópolio dos homens (que a teorizavam e ocupavam), hoje em dia as mulheres encontram-se a viver em instituições económicas e políticas nas quais – de facto – continuam a ser periferias culturais e teóricas. As estatísticas mostram que nas empresas e bancos são principalmente as mulheres que sofrem porque os postos de trabalho foram pensados, desenhados e promovidos por teorias onde falta ‘a outra metade’ do mundo e da economia. Mudar a economia para a tornar à ‘medida de mulher’ implicaria – faço apenas uma sugestão – rever também a teoria e a praxis da gestão da casa, a economia familiar, a educação dos filhos, a assistência aos idosos. E muitas outras coisas mais.

As dificuldades do tempo presente dependem também do não se conseguir valorizar a enorme energia relacional e moral das mulheres, hoje ainda demasiado hóspedes e estrangeiras no mundo produtivo dos homens onde, por isso, não conseguem exprimir todas as suas potencialidades e talentos. Também a economia está à espera de ser vivificada pelo génio feminino.

Todos os comentários de Luigino Bruni no 'Avvenire' estão disponíveis no menu Editoriais Avvenire   

Este site utiliza cookies, também de terceiros, para oferecer maiores vantagens de navegação. Fechando este banner você concorda com as nossas condições para o uso dos cookies.