O preço não é justo

Bens - Léxico do bom viver social/3

por Luigino Bruni 

publicado em Avvenire dia 13/10/2013 

logo_avvenireTambém neste tempo, cada vez mais dominado pela técnica e pela finança invisível e sem rosto, os protagonistas da economia continuam a ser as pessoas e os bens. Cada ato económico – do consumo ao trabalho, da poupança ao investimento – é um enredo de pessoas e bens. E também quando se age no interior de instituições complexas, regras e contratos e os bens perdem materialidade e parece dissolverem-se, no final e no início de cada ato económico encontramos sempre bens e pessoas. É assim que, paralelamente a uma reflexão sobre pessoas – na veste de cidadãos, "consumidores", empresários, investidores, trabalhadores – para poder escrever um novo léxico económico é necessário e urgente um pensamento novo sobre os bens, os objetos da economia, e em seguida sobre novos hábitos de consumo e de vida.

Ontem, hoje e amanhã, a economia muda, evolui e retrocede quando mudam, evoluem e retrocedem os bens e as pessoas. Entre pessoas e bens existe uma misteriosa relação de reciprocidade. Se é verdade que os bens se devem reportar às pessoas (as únicas que sobre a terra dispõem de liberdade e, consequentemenete, de responsabilidade), uma vez que os bens tenham sido produzidos adquirem vida própria e grande capacidade de modificar a nossa vida, bem-estar e liberdade. É uma formidável lei da existência humana que os grandes mitos nos descreveram e continuam ainda a descrever de variados modos. Não são apenas os filhos de nós nascidos que modificam e transformam radicalmente e para sempre a nossa vida; também as coisas que construímos nos modificam, transformam e tornam melhores ou piores; nunca nos deixam incólumes. O mundo nunca fica como estava cada vez que nasce uma criança, bem sabemos; mas, embora de modo diverso e sempre novo, o mundo muda continuamente também graças aos artefactos, produtos, encontros e bens que realizamos. Cultivamos e protegemos a terra criando, permutando, consumindo bens.

Para designar as mercadorias, os primeiros economistas escolheram precisamente esta palavra: "bens", um termo que tomaram da filosofia e teologia. Bem deriva de facto da categoria moral de bom, bonum. É por isso bom fazer crescer os bens porque – e se – eles são coisa boa, aumentam o bem das pessoas, famílias, cidades, o Bonum commune. Por esta razão a reflexão ética sobre a economia fundava-se originalmente na hipótese de que nem todas as mercadorias e coisas da economia são bens (coisas boas). Não se compreende, por exemplo, a antiga reflexão ética sobre os vícios (luxúria, gula, avareza, inveja…) fora desta irmandade entre bens e o Bem, e entre bens e necessitados.

Mas a um certo ponto da trajetória cultural e antropológica do Ocidente, os indivíduos deixaram de aceitar que alguém (a tradição, a sociedade, a religião, o pai…) lhe dissesse que bens são "bons" e quais são as "verdadeiras" necessidades, que coisas são verdadeiramente úteis – e cada vez menos o aceitam. O sujeito torna-se o único autorizado a dizer, exprimindo uma procura de mercado pagante, se uma coisa é para ele um bem. A riqueza nacional tornou-se assim o conjunto destes bens (mercadorias e serviços) definidos tais pelas pessoas individualmente, e o PIB não faz mais que quantificar estes bens. Assim a nossa riqueza económica apinhou-se com uma miríade de bens diferentes, que partilham apenas o critério de medida monetário: antibiótico, bilhetes para ver Pirandello e Ibsen no teatro, flores para oferecer a quem amamos, bens relacionais, em conjunto com gastos com ações legais provocadas por litígios e delitos, minas anti-homem, slot-machines, pornografia. Tudo bens, tudo PIB, tudo crescimentoÉ tudo trabalho, em todo o caso, dizem alguns; mas não é difícil imaginar a qualidade humana de quem, talvez uma mulher, tem que trabalhar numa empresa de material pornográfico para viver – e fazer enriquecer quem especula sobre aqueles "bens". Nem todo o trabalho e nem todos os postos de trabalho, são coisas boas, não o foram nunca. Mas hoje em dia os bens perderam contacto com o Bem, e sem este contacto já não temos categorias culturais para entender que nem sempre o aumento de bens é Bem, que nem todos os bens são coisas boas, que nem todo o crescimento aumenta a felicidade o bem-estar. O contraste entre os nossos bens e o bem surge com toda a sua trágica claridade no ambiente natural, que muito frequentemente apresenta o espetáculo da combinação de bens individuais e mal comum.

Que critério ético temos hoje para dizer se um aumento percentual do PIB é um bem ou um mal? Era peciso conhecer e dizer como e graças a que "bens" o PIB se modificou, mas não o sabemos. Reconhecendo tudo isto em toda a sua dramaticidade, devemos porém ter bem presente que uma das condições da democracia é a presença no mundo de um número maior de bens do que aquelas coisas que são boas para mim, porque nesta "diferença" poderiam estar, e estão, também aquelas coisas que são bens para mim, mas não o são para os outros e para a maioria. Um exercício fundamental da democracia é tolerar a existência de mais bens que aqueles que nos agradam. Uma "diferença democrática" que no entanto não deve impedir-nos de formular novamente difíceis e arriscadas questões sobre a natureza moral dos bens económicos e convencendo-nos reciprocamente sobre a bondade dos bens nossos e dos outros.

Uma última nota, para concluir. Existem na terra muitos bens (e males) que não são mercadorias; há muitas coisas que têm valor mas não têm preço, mesmo se está em curso uma velocíssima transformação de (quase) todos os bens e males em mercadorias. Um novo indicador de bem-estar poderia ser então calculado com base na diferença entre bens e mercadorias; dar-nos-ia uma ideia de quanta gratuidade resiste ao imperialismo das mercadorias. Mas sob o mundo das coisas existe ainda algo mais. O valor económico dos bens é apenas uma mínima parte do seu valor total

Geramos muito mais bem de quanto preços e PIB conseguem medir, um "crédito de valor" que talvez compense, pelo menos em parte e no seu conjunto, o débito de tantos males que em moeda não podem ser adequadamente ressarcidos, porque por demais humanos e dolorosos para terem equivalente monetário. Esta excedência do valor sobre o preço verifica-se em muitos bens, mas particularmente em muitos serviços à pessoa, para tratamento médico, educação, saúde, pesquisa... O valor total de uma consulta médica que possa encontrar solução para um grave problema de saúde, tem um valor humano e moral que nenhuma conta de honorários, ainda que avultada, poderá igualar. O valor económico de um professor que ajude as crianças a crescer é infinitamente maior que o seu ordenado. Esta sobreabundância existe, em diferentes medidas, em cada trabalho e os super-ordenados milionários mostram-no com maior evidência, na contraluz da indignação. É tudo isto que dá valor moral àquele "obrigado" que, depois de regularmente termos pago o preço, dizemos ao empregado das bombas de combustível ou do bar.

Todos nós conhecemos, sentimos e sofremos estas coisas. Pelo mesmo motivo, também os trabalhadores, para ficarem satisfeitos e viverem bem têm necessidade vital – quase nunca saciada – de outras formas de remuneração simbólicas e relacionais que preencham, pelo menos um pouco, o diferencial entre o salário monetário do "bem trabalho" e o dom da vida no trabalho. É esta excedência antropológica que faz o trabalho maior que a mercadoria-salário, sempre e em todo o lado. Quando transformamos os valores em preços e os bens em mercadorias não deveremos nunca esquecer a diferença entre o valor das coisas e a sua medida monetária, entre o trabalho – qualquer que ele seja – e o seu preço. Reconhecê-lo e agir consequentemente, é ato de justiça económica que dá fundamento ao bom viver social.

 

Todos os comentários de Luigino Bruni no 'Avvenire' estão disponíveis no menu Editoriais Avvenire 

Este site utiliza cookies, também de terceiros, para oferecer maiores vantagens de navegação. Fechando este banner você concorda com as nossas condições para o uso dos cookies.