Palavras para o nosso tempo

Comentários - Léxico do bom viver social/1

por Luigino Bruni 

publicado em Avvenire dia 29/09/2013 

logo_avvenireHá quem esteja firmemente convencido de que o pior da crise já passou; outros estão de igual modo persuadidos de que a "grande crise" está apenas no início. Na realidade, certo é que precisamos de começar a ter consciência de que a palavra "crise" já não consegue exprimir o nosso tempo. É que, realmente, nos encontramos imersos num longo período de transição e de mudança de paradigma, iniciado bem antes de 2007 e que irá durar ainda muito. Por isso precisamos aprender rapidamente a viver bem no mundo como ele hoje se nos oferece, incluindo as suas dificuldades. Mas precisamos de aprender um novo léxico económico, que se preste, em primeiro lugar, a ajudar-nos a compreender este mundo (não o de ontem) e, depois, nos ofereça instrumentos para atuar e, possivelmente, o tornarmos melhor.

O não conseguir compreender a economia do nosso tempo, o trabalho e a falta dele, é já uma nova forma de indigência coletiva. Da tomada de consciência desta nova indigência 'lexical', e por isso de pensamento, nasce a ideia de iniciar – ou talvez continuar – a escrita de uma espécie de Léxico do bom viver social, uma expressão emprestada, ou oferecida, pelo economista e historiador napolitano Ludovico Bianchini, que ocupou a cátedra de economia que cem anos antes tinha sido de Antonio Genovesi. Quis dar como título ao seu principal tratado de economia Sobre a ciência do bom viver social (1845). Na verdade, um novo léxico nunca nasce do nada. Alimenta-se, vive, cresce de palavras do passado e prepara as do futuro. Por isso é sempre provisório, parcial e necessariamente incompleto; material de trabalho, uma caixa de ferramentas para pensar e agir.

palavras fundamentais do viver social que precisam de ser repensadas, e em parte reescritas, se quisermos que o viver civil e económico seja 'bom' e, se possível, também justo. Nesta nossa época estamos fazendo muita má economia também porque falamos e pensamos mal a vida económica e civil. Muitas são as palavras a repensar e reescrever. Entre elas estão, sem dúvida: riqueza, pobreza, empresário, finança, banco, bem comum, trabalho, justiça, management, distribuição do rendimento, lucro, direitos de propriedade das empresas, indignação, modelo italiano, capitalismo e muitas outras. Um novo léxico é necessário também para compreender e assim reavaliar o específico da tradição económica e civil italiana e europeia. Na verdade, o século XXI está (perigosamente) a tornar-se no século do pensamento económico-social único.

Estamos perdendo em demasia biodiversidade, riqueza antropológica, ética, heterogeneidade cultural. Em vias de extinção não estão apenas milhares de espécies vivas; estão também a desaparecer formas vivas de empresas, bancos, tradições artesanais, visões do mundo, cultura empresarial, cooperação, mesteres, saber fazer e saber pensar, éticas do trabalho. E muitas das que estão a nascer assemelham-se demasiado a espécies parasitas e agressivas que aceleram a morte de antigas e boas plantas. Vão-se reduzindo as formas de empresa, as culturas de governo, os tipos e as culturas de atividade bancária, esmagadas pela ideologia do business is business, em que o business – os negócios – é apenas o que deriva da tradição anglo-saxónica – Estados Unidos de modo especial – um business no qual também os bancos são todos iguais: tanto os que fazem apostas com as nossas poupanças como os que amam e servem territórios, famílias e empresas.

A economia europeia tem séculos de biodiversidade produzida por uma longa história, muitos séculos, ao contrário do capitalismo que nos está colonizando, que os não tem. Quem esquece esta longa história e esta riqueza produz danos civis e económicos enormes e frequentemente irreversíveis. O século XX fora também o século do pluralismo dos sistemas económicos e dos capitalismos. Esse século, que em certos aspetos parece já longínquo, vira a manifestação de vários tipos ou formas de economia de mercado. A economia social de mercado alemã, a economia coletivista, a mista italiana – um 'misto' que era muito mais amplo que a mera relação privado/público – o modelo escandinavo, o francês, inglês, norte americano, japonês, indiano, sul americano e, no final do período, também o híbrido chinês. Toda esta variedade de economias de mercado, umas capitalistas e outras não, era acompanhada por grandes, às vezes enormes, espaços de economia tradicional que continuavam a persistir mesmo na nossa velha Europa. Toda esta biodiversidade está desaparecendo no século XXI.

É sempre a diversidade que faz maravilhoso o mundo e a biodiversidade de formas civis e económicas não o tornam menos esplêndido e rico que a das borboletas e plantas. A paisagem italiana e europeia é património da humanidade não apenas pelas colinas e bosques (fruto, aliás, de grandes carismas monásticos da idade média e por isso de grande biodiversidade espiritual). Criaram praças e vales estupendos não só de vinhas e olivais, mas também de cooperativas, milhares de Caixas Agrícolas e BCC todos iguais e todos diferentes, Caixas de Aforro, oficinas de manufatura de flautas e estábulos de montanha, empresas dos distritos, Confrarias, Misericórdias, escolas de D. Bosco e das Maestre Pie, hospitais das Servas da caridade, a par dos públicos e privados. De cada vez que uma destas instituições morre, talvez devido a leis erradas ou consultores impreparados, o nosso País empobrece, tornamo-nos menos cultos, profundos e livres, e deitamos fora séculos de história e de biodiversidade.

Onde não existe biodiversidade há apenas esterilidade, incesto, nanismo, as patologias por que está passando um capitalismo financeiro que já não é capaz de gerar trabalho belo e riqueza boa, precisamente porque demasiado achatado em uma só cultura e um só princípio ativo (maximizar lucros e rendimentos de breve prazo). Esta perda de biodiversidade civil e económica (e portanto humana) é uma doença muito séria que chama à discussão diretamente a democracia, hoje como ontem estreitamente conexa com a sorte, as formas e a pluralidade dos protagonistas da economia de mercado.

Eis então que se abrem novos desafios, decisivos para a nossa qualidade de vida presente e futura. Até onde queremos estender o mecanismo dos preços para regular a vida em comum? Temos a certeza de que o modo com que estamos governando as empresas, sobretudo grandes, seja viável no futuro? Os trabalhadores deverão ficar sempre fora dos Conselhos de Administração das empresas? Queremos continuar a delapidar a África ou podemos iniciar com os seus povos longínquos e cada vez mais próximos um novo relacionamento de reciprocidade? Quando deixaremos de roubar futuro aos nossos netos endividando-nos por consumo excessivo e egoísta? É possível estender o sistema de trip advisor de hotel a todos os bens de mercado, para uma verdadeira democracia económica? Como Europa, temos ainda algo a dizer sobre mercado e empresa? Estas e outras difíceis perguntas e desafios não podem ser enfrentados com sucesso se antes não aprendermos a pensá-las e dizê-las com as palavras certas.

Durante estes anos, demasiados foram os danos, não apenas económicos, provocados por quem apresentou 'males' sob forma de 'bens', custos como benefícios, vícios mascarados de virtudes. Danos que continuamos a produzir, nem sempre intencionalmente. Todos nós – cidadão comum, economistas, instituições, media, políticos – precisamos de instrumentos para dar vida a uma linguagem económica e civil que nos ajude a dar às coisas o nome certo, para amá-las e melhorá-las. Em todas as épocas de renascimento as palavras envelhecem muito rapidamente, e nenhuma época da história desgastou palavras e conceitos mais rapidamente que a nossa. Se verdadeiramente quisermos recriar trabalho, concórdia civil, cooperação e riqueza, é necessário saber antes pronunciá-los, dar-lhes nome. Quando do caos se quer passar ao cosmos (ordem), o primeiro ato humano fundamental é dar nome às coisas, conhecê-las, protegê-las, cultivá-las. Mas o nome mais importante que hoje precisamos de reaprender a reconhecer e a pronunciar é o nome do outro. Porque quando se esquece aquele primeiro nome não conseguimos já chamar por nós próprios nem as coisas, incluindo as importantíssimas coisas da economia. Apenas quando as chamarmos com o nome certo elas recomeçarão a responder-nos.

 

Todos os comentários de Luigino Bruni no 'Avvenire' estão disponíveis no menu Editoriais Avvenire  

Siga-nos:

Alessandra Smerilli

11-03-2019

Na mesa com... por Paolo Bricco - publicado em Sole24ore, 10/03/2019 Tradução de Moisés...

11-03-2019

Na mesa com... por Paolo Bricco - publicado em Sole24ore, 10/03/2019 Tradução de Moisés...

A economia do dar

A economia do dar

Chiara Lubich

«Ao contrário da economia consumista, baseada numa cultura do ter, a economia de comunhão é economia da partilha...

Leia mais...

As tirinhas de Formy!

As tirinhas de Formy!

Conheces a mascote do site Edc?

O dado das empresas

O dado das empresas

A nova revolução para a pequena empresa.
Dobre! Jogue! Leia! Viva! Compartilhe! Experimente!

O dado das empresas agora também em português!

quem está online?

Temos 570 visitantes e Nenhum membro online

© 2008 - 2019 Economia di Comunione (EdC) - Movimento dei Focolari
creative commons Questo/a opera è pubblicato sotto una Licenza Creative Commons . Progetto grafico: Marco Riccardi - info@marcoriccardi.it

Please publish modules in offcanvas position.

Este site utiliza cookies, também de terceiros, para oferecer maiores vantagens de navegação. Fechando este banner você concorda com as nossas condições para o uso dos cookies.