O amor não faz cedências ao poder

Neste domingo começa a reflexão de Luigino Bruni sobre o livro do Êxodo. As parteiras do Egito/1 - É um olhar de mulher que nos salva dos impérios

por Luigino Bruni

publicado em Avvenire em 10/08/2014

Logo Levatrici d EgittoSempre houve impérios e ainda hoje os há. Mas agora estamos a deixar-nos adormecer por eles e cada vez mais se torna difícil reconhecê-los. E não os reconhecendo, não se lhes dá o seu nome verdadeiro, não se sente a opressão, não se inicia qualquer caminho de libertação. Fica-se apenas com a ‘soberania’ dos consumidores, cada vez mais infelizes e sós nos próprios sofás. A leitura e a meditação do livro do Êxodo é um grande exercício espiritual e ético, porventura o maior, para quem deseja tomar consciência dos ‘faraós’ opressores, sentir de novo dentro de si o desejo de liberdade, ouvir o grito de opressão dos pobres, tentar libertar pelo menos alguns deles. E para quem deseja imitar as parteiras do Egito, que amam todas as crianças.

Há uma continuidade direta entre o Génesis e o Êxodo: “José e os seus irmãos e todos os daquela geração morreram, mas os israelitas tiveram filhos e cresceram muito, tendo-se tornado tão numerosos e fortes que enchiam todo o Egito. Subiu então ao trono do Egito um novo rei que não sabia nada a respeito de José” (1,5-7). O crescimento demográfico dos hebreus (1,10) e o receio de que pudesse nascer alguém que o destronasse (1,22), provocam no Faraó um sentimento de grave ameaça. Endurece então a condição dos hebreus, isto é uma mescla heterogénea de povos nómadas estrangeiros que no Egito trabalhavam como escravos, entre os quais vieram a encontrar-se também as tribos de Israel. E então “os egípcios começaram a ter horror dos israelitas e escravizaram-nos cruelmente, tornando-lhes a vida muito amargurada com trabalhos pesados, no barro e nos tijolos e em toda a espécie de trabalhos de campo.” (1,14). Mas o faraó não se limitou a impor trabalhos forçados aos homens. Tentou a solução mais drástica; com ela se abre uma das páginas mais bonitas da escritura: “o rei chamou as parteiras hebreias, cujos nomes eram Chifra e Pua, e disse-lhes: «Quando ajudarem as hebreias a dar à luz, prestem atenção. Se for menino, matem-no; se for menina, deixem-na viver»” (1,15-16).

A profissão de parteira era muito estimada e desenvolvida no Egito. Havia em Sais uma escola famosa em toda a Antiguidade; Neferica-Ra e mais tarde Peseshet foram duas parteiras recordadas como as primeiras mulheres médicas da história. As parteiras foram sempre consideradas pelo povo um ‘bem comum’, mulheres que com a sua atividade se associavam ao trabalho de parto das mães, lutando sempre do lado da vida; toda a comunidade, que das suas boas e experientes mãos recebe os filhos, ama-as (a “Senhora Germana”, a última parteira da terra em que nasci, permanece ainda uma estrela luminosa). Na Antiguidade era uma atividade exclusivamente feminina; geria o final da gestação, o momento sacro em que as mulheres nos geram e regeneram o mundo. A cultura bíblica atribui ao parto lugar central. Raquel, uma das mais belas e importantes figuras do Génesis, morre ao dar à luz. É então, no relato do último parto de Raquel, que pela primeira vez surge na Bíblia a palavra parteira: “A parteira disse-lhe: «Não tenhas medo! Tens aqui outro rapaz!»(Gen 35,17).

Aquela primeira parteira segredou palavras de bondade e esperança (às mães no momento do parto não se fala: acariciam-se, fala-se-lhes com as mãos, quando muito, sussurra-se). Mesmo assim, ela não conseguiu evitar a morte de Raquel, depois de Benomi-Benjamim nascer. Volta a surgir a parteira para o parto de Tamar, quando põe uma ‘fita vermelha’ no pulso do primeiro dos gémeos (38,28). E, por fim, as parteiras do Egito: será a última vez que aparecem já que depois das palavras infinitas de Chifra e Pua, nada mais havia a dizer.

Aquele povo nómada – que vivia em tendas itinerantes onde os partos não eram nada fáceis – na origem da sua grande história de libertação quis colocar duas parteiras do Egito. Pouco sabemos de Chifra (‘a bela’) e de Pua (‘esplendor’, ‘luz’). É quase certo tratar-se de egípcias, provavelmente responsáveis das parteiras dos hebreus ou mesmo de todo o Egito. Conhecemos os seus nomes e, o que é mais importante, sabemos que foram as primeiras objetoras de consciência: “As parteiras obedientes a Deus não cumpriram as ordens do rei do Egito, e deixaram viver os meninos” (1,17). A primeira arte da terra é a destas parteiras: ‘deixar viver os meninos’, os próprios e os dos outros: todos os meninos. Quando esta primeira arte se eclipsa, a vida deixa de ter o primeiro lugar e as civilizações ficam confusas, adoecem, entram em decadência. Neste ‘não’ ao faraó e ‘sim’ à vida, está guardada também, portanto, uma grande palavra válida para qualquer tipo de trabalho: a lei mais profunda e verdadeira de uma profissão ou ofício não é a que emana de um qualquer dos muitos faraós, dominado por ambição de poder e omnipotência, antigas ou novas. As suas leis devem ser respeitadas apenas e só quando servem a lei da vida. Quando alguém se esquece que a ‘lei dos faraós’ é sempre lei segunda – nunca a primeira – fica transformado em súbdito de impérios; e então não iniciará nenhuma libertação, sua e dos outros. Chifra e Pua dizem-nos que ‘não se matam meninos’; não se matam os meninos dos egípcios nem os dos hebreus. Não se matam meninos no Egito nem em qualquer outro lugar. Ontem, hoje, sempre. Se é que pretendemos permanecer humanos. E sempre que assim não fizermos, não ‘obedecemos a Deus’, não obedecemos à vida e renegamos a herança das parteiras do Egito.

Em Chifra e Pua, mulheres, trabalhadoras, seres humanos que se colocam do lado da vida, ecoa o mito grego de Antígona (que desobedece ao rei para obedecer à lei mais profunda da vida, dando sepultura a seu irmão morto em batalha). Nelas revivem as mulheres do Génesis, as outras mulheres da Bíblia. Nelas é anunciada Maria; e todas as mulheres que até hoje continuam a dar-nos a vida. Nelas revivem os carismas e o ‘perfil mariano’ da humanidade.

O início do livro do Êxodo desenrola-se todo sob o signo de mulheres que salvam a vida. A mãe de Moisés desobedeceu à nova ordem do faraó – “deitem ao Nilo todos os meninos hebreus recém-nascidos” (1,22) – e salvou o menino. “...escondeu-o durante três meses. Mas não conseguindo escondê-lo por mais tempo”, construiu un cesto de junco betumado com pez, colocou o menino dentro e foi pô-lo nas águas do Nilo (2,2-3). Outra mulher, a filha do faraó, encontrou o cesto no rio; quando, abrindo o cesto, viu lá dentro “um dos meninos dos hebreus” “teve pena dele” (2,5-7).
Toda a cena do achamento do cesto na margem do grande rio passa-se à vista da irmã de Moisés: “a irmã do menino ficou a certa distância para ver o que lhe acontecia” (2,4). É estupendo este olhar de mulher-menina que acompanha, da margem, a cesta que se desloca no rio; um olhar bom de amor inocente como terá sido o de Eloim seguindo a arca-cesto de Noé, o justo; não é por acaso que a palavra hebraica tevà é usada tanto para o cesto de Moisés como para a arca de Noé. A irmã de Moisés falou com a filha do faraó, oferecendo-se para achar uma ama hebreia. A filha do faraó concordou e disse à mulher que era, afinal, a mãe de Moisés: “Leva este menino e amamenta-o por mim, que eu te pagarei um salário” (2,9).

Uma vez mais o trabalho de mulher que salva, o trabalho mais íntimo (o leite permutado entre mulheres para a vida), associado a outra palavra chave: salário. Num tempo atormentado tanto para o trabalho como para o salário, quando as leis de faraó não querem que nasçam meninos, ou pretendem transformá-los em produto de mercado, este início do livro do Êxodo deverá falar-nos e interpelar-nos fortemente. O Faraó queria utilizar o trabalho para eliminar os filhos de Israel: o trabalho forçado nos tijolos e o trabalho das parteiras. Mas nem um nem outro se tornou aliado da morte. As parteiras, por vocação, escolheram a vida; mas nem sequer os trabalhos forçados levaram a melhor, porque “quanto mais os egípcios os oprimiam, mais os israelitas se multiplicavam e mais se expandiam” (1,12). Apesar do faraó, o trabalho continua a ser aliado da vida e não se deixa usar facilmente para fins de morte. Os faraós são sempre tentados a manipular o nosso trabalho, mas até nos piores trabalhos nós podemos salvar-nos. Trabalhar é parte da condição humana. Temos, pois, a capacidade de o tornar amigo, apesar de poderosos e impérios, e podemos converter o ‘trabalho-lobo’ em ‘irmão trabalho’. Mais difícil, hoje em dia, é salvar-se do ‘não-trabalho forçado’.

O início do livro do Êxodo mostra-nos uma maravilhosa aliança entre mulheres, de várias categorias sociais, cooperando para a vida; maridos e pais são opressores e oprimidos. Estas alianças cruzadas entre mulheres salvaram muitas vidas durante guerras e ditaduras de homens, construindo com as próprias mãos ‘cestas’ de salvação. Alianças que continuam a ver-se nas nossas cidades e que permitem aos nossos filhos viver e tonar-se grandes. É preciso salvar os meninos: é a lei das parteiras, das mulheres; a primeira lei da terra.
Deus recompensou as parteiras … . E como as parteiras obedeceram a Deus, ele concedeu-lhes famílias numerosas” (1,20-21). São as ‘numerosas famílias’ das parteiras do mundo, pessoas que amam e protegem a vida, mães das meninas e meninos de todos.

 

Todos os comentários de Luigino Bruni publicados em Avvenire estão disponíveis no menu Editoriais Avvenire  

Este site utiliza cookies, também de terceiros, para oferecer maiores vantagens de navegação. Fechando este banner você concorda com as nossas condições para o uso dos cookies.