Não deixar-se embalar pelo sucesso

A grande transição/8 – A cilada do "escurecer ao meio dia" e seu antídoto

por Luigino Bruni

publicado em Avvenire 22/02/2015

Sole di mezzanotte ridDois homens [...] chamados Eldad e Medad, tinham ficado no acampamento[...]. Também eles receberam o Espírito de Deus e começaram igualmente a manifestar-se como profetas. Um jovem foi correndo informar Moisés que Eldad e Medad estavam se comportando como profetas. Josué, filho de Nun, que era auxiliar de Moisés desde a juventude, insistiu com Moisés:«Mande-os parar, meu senhor!» Mas Moisés respondeu: «Eu não tenho inveja deles e tu vais tê-la? Quem dera [...] que todos fossem profetas!»

Livro dos Números, 11, 26-29

Organizações, comunidades, movimentos são organismos vivos: nascem, crescem, morrem, ficam doentes, curam-se. A doença que na semana passada chamamos “autoimune” é especialmente grave e difícil de curar; e o principal motivo é que os seus primeiros sintomas são lidos como sinais de sucesso e de saúde. Como em todas as doenças deste tipo, os fatores que tinham promovido o crescimento e protegido a OMI (organização com motivação ideal), em determinado momento começam a infetar o corpo social que, durante muito tempo, tinham alimentado.

Consideremos o tema crucial das estruturas e das burocracias das OMI. O nascimento da organização, das obras e das instituições do “carisma” são sinal de fecundidade e robustez da experiência. O seu aparecimento é visto e saudado como uma bênção e sinal claro de fecundidade. Mas, em determinado momento, estruturas que no início eram fruto da vida e serviço à mesma – porque nasceram de encontros, necessidades e pedidos recebidos do exterior pela OMI –, começam a ser produzidas internamente para antecipar futuras necessidades e potenciais “procuras”. Crescem as estruturas centrais e auxiliares, surgem e multiplicam-se burocracias internas que absorvem cada vez mais energias, são dedicadas forças humanas e espirituais à gestão de estruturas induzidas pelo primeiro sucesso. Aumenta de número progressivamente, hipertrofia-se, uma classe burocrática em tempo integral; e tudo isto, em lugar de ser percebido como sinal de declínio, é lido como vigor e sucesso da organização-movimento. Sem estruturas e instituições, os nossos ideais não passariam de experiências passageiras, não deixariam marca na história. Como no mito de Édipo rei, porém, estruturas e burocracias necessárias podem acabar por comer o pai que as criou; sem o querer, sem sequer o saber, como na tragédia.

Podemos falar de uma lei do “início do escurecer ao meio-dia” em muitas realidades humanas, sobretudo nas maiores e mais excelsas. Pode verificar-se, por exemplo, em pessoas especialmente talentosas. O escritor, o artista, atinge a sua máxima expressão graças a encontros, a leituras que o nutrem na fase de formação e ascensão. É então que o sucesso pode devorar o talento. O escritor deixa de se nutrir de biodiversidade; tranquilizado e alimentado pelo sucesso, começa a nutrir-se de si mesmo, a auto-consumir-se. Passa a folhear os livros dos outros autores começando pelo fim, pelo índice de citações, à procura do seu nome. Como em qualquer narcisismo, enamora-se pela própria imagem refletida no espelho, até afogar-se no lago do próprio talento. Já não precisa aprender, ouvir, deixar-se pôr em discussão pela crítica. Começa aqui o declínio de criatividade; no início não parece, porque coincide com o aumento de admiradores, de leitores, reconhecimentos e consenso. Na realidade, é o princípio do pôr do sol.

Salva-se quem for capaz de ver o início do declínio, enquanto tudo e todos falam apenas de triunfo; e de agir em conformidade. Quem só começa a ver o declínio no momento em que o sol desaparece no horizonte acordará tarde demais: o processo já está muito avançado e é quase sempre irreversível. Como em outras doenças autoimunes, a cura pode vir do exterior do organismo: sozinhos, só se vê o meio-dia. Os outros vêem mais e muito antes, principalmente os iguais, e não os seguidores; e se tiverem a coragem de correr o risco de fazer a figura – muito provável - de "grilo falante".

Algo de muito semelhante sucede às maiores e melhores OMI, muito semelhantes aos artistas, às pessoas geniais: não existem no mundo realidades mais criativas, sublimes e estimulantes que as OMI. A função mais importante dos seus fundadores e/ou responsáveis é conseguir aperceber-se do potencial auto-destrutivo no momento de maior sucesso; e tomar então as melhores decisões, através de opções organizativas drásticas e dolorosas (por exemplo, desencorajando uma preferência sistemática pelos membros, reduzindo distâncias entre o líder e o grupo, combatendo a auto-referencialidade, não apreciando nos seguidores o eco da sua voz, favorecendo a autonomia de pensamento...).

A história mostra, porém, que é quase inevitável que façam o contrário disso, construindo organizações e estruturas hierárquicas para orientar toda a atividade e a pessoa toda de todas as pessoas no sentido de potencializarem e desenvolverem sucessos e consensos.
Como sair desta triste cena, que se alimenta a si mesma e que ninguém deseja? Como evitar enamorar-se pelo próprio sucesso e consequente auto-condenação à esterilidade? Quase tudo depende da capacidade dos líderes em não cometer um erro, muito comum e fatal: o reducionismo identitário. Dá-se quando os responsáveis, procurando orientar todas as energias morais dos membros para os objetivos da organização, pretendem o monopólio sobre as pessoas. Criam indivíduos "a uma só dimensão" identitária, reduzindo a sua complexidade antropológica e motivacional, muitas vezes sem o querer. Esquecem que toda a pessoa é mais do que a mission da organização ou do movimento, por grandes que estes sejam. Assenta nisto a verdadeira dignidade de cada pessoa: ela é maior que qualquer paraíso que lhe se possa prometer.

Evitar este erro é importante para qualquer OMI, mas é decisivo em comunidades espirituais que, por natureza, vivem de pessoas com uma vocação identitária dominante, ancorada em um "para sempre". Grave risco, aqui, é ignorar que a identidade dominante não é nunca o único eixo da pessoa e que o seu desabrochar dentro e fora da OMI depende do jogo e da fertilização recíproca das múltiplas dimensões que compõem a sua vida. Vale aqui também o paradoxo da gratuidade: para conseguir que as pessoas se exprimam plenamente, tornando assim mais ricos a organização, elas mesmas e o mundo, é preciso não as possuir, não as usar, não as gastar, não as instrumentalizar, nem mesmo pelos mais nobres fins.

Cada um dos seguidores de um "carisma" crescerá bem se descobrir o seu modo pessoal de corresponder à vocação que recebeu, se encontrar e cultivar o seu próprio "carisma" dentro do carisma que o precede. Todos, numa OMI, devem evitar o erro do "monopólio", mas em primeiro lugar são os responsáveis que precisam de contrariar essas tendências, mesmo perante pessoas que chegam atraídas por identidades fortes e totalizantes; se as promoverem ou aprovarem, logo se encontrarão rodeados de gente esvaziada de energia que, com o passar dos anos, irá perdendo riqueza antropológica, moral e espiritual.

Obviamente, todas estas consequências não são intencionais e, por isso mesmo, são dificilíssimas de ver e de curar; daí a importância de se falar destas coisas. Faltando esta gratuidade e castidade organizativas, as pessoas com vocação "funcionam" durante uns anos, algumas décadas, talvez; mas quase inevitavelmente chega um momento de crise total no qual, para se salvarem, ou deixam ou renunciam a florescer; o âmbito das ordens religiosas e das comunidades carismáticas oferece-nos a esse propósito uma abundante e crescente evidência empírica.

A um certo ponto, a vida coloca a pessoa perante um dilema: reapropriar-se da própria vida na sua inteireza, procurando uma nova realização fora da OMI, ou então conformar-se com uma vida reduzida, sem mais eros e desejos, mesmo quando a vida assim redimensionada se aceita por virtude e fidelidade a si mesmo (produzindo até, talvez, excelência moral individual; mas raramente para a OMI). Castidade e gratuidade organizativas são muito raras e sempre difíceis porque requerem dos responsáveis a capacidade de assistir a desenvolvimentos de vocações inéditos e imprevistos, a tocar novas fronteiras, diversas das já abertas.

Deveriam estar preparados para aprovar e apreciar não só boas execuções orquestrais de partituras já escritas, mas também para se deixarem surpreender por partituras novas, novas músicas e danças. As OMI que conseguiram viver muitas gerações não se limitaram a criar bons intérpretes; fizeram surgir muitos "compositores" que, do motivo dominante inicial, escreveram novas melodias, concertos e sinfonias, assim continuando a embelezar o mundo e o céu.

Terminamos com uma mensagem de esperança: a história e a vida mostram-nos que é possível que novos concertos, danças e sinfonias possam brotar de OMI já afetadas pela doença. A vida é imprevisível e mais interessante que as descrições que dela fazemos; tal como as pessoas, também as organizações e comunidades podem acordar um dia curadas ou em vias disso. Nas realidades humanas resistem sempre núcleos de vitalidade, lugares e periferias onde falam "profetas", à margem do acampamento. Mesmos nas situações mais complicadas, é possível sair por cima; existe sempre uma terceira hipótese. Conheci pessoas – e há muitas assim – que por um dom misterioso, mas real, fazem uma experiência análoga à que Jesus propõe a Nicodemos: "velho" que é, pode renascer "menino". É possível tornar-se adulto permanecendo "menino", é possível crescer bem, sem sair da OMI, e não tornar-se cínico ou desiludido. São pessoas dessas que, como as células estaminais, são capazes por vezes de regenerar o organismo todo. Esta terceira hipótese está sempre em aberto, em todos os contextos, em todas as OMI, em qualquer comunidade. Todos os dias.

Este site utiliza cookies, também de terceiros, para oferecer maiores vantagens de navegação. Fechando este banner você concorda com as nossas condições para o uso dos cookies.