#StorytellingEdC: um incêndio de comunhão

As histórias das empresas de EdC nem sempre têm um final, porque nunca terminam.

por Carolina Carbonell

170907 incendio el albaAldo Calliera é proprietário da empresa agrícola de EdC El Alba, em Santiago del Estero, no norte da Argentina, e já foi protagonista de outra história para o site EdC (em italiano): ...Di cavalli e mandriani.

Sábado, 19 de agosto, Aldo nos mandou uma foto das chamas que estavam queimando com toda a força o seu campo. Em sua mensagem nos dizia: “Já fazem dois dias que, junto com os meus colegas, estamos trabalhando como bombeiros. Em duas horas, somente, perdemos o fruto de muitos anos de cuidado ecológico com as florestas nativas e toda a cobertura nos lotes agrícolas”. No dia seguinte chegaram novas notícias: “Na noite passada tivemos outro incêndio muito complicado, mas já está sob controle”.

"Amigo, como vai?" - perguntamos a ele na segunda-feira. “Claro que fisicamente estou esgotado, mas espiritualmente é uma graça poder viver tudo isto com serenidade e compartilhar esta serenidade também com a equipe. Por exemplo, um vizinho me telefonou ontem à noite para me dizer que tinha visto outro fogo muito grande. Quando liguei para um dos rapazes para lhe pedir para ficar em alerta, fiquei surpreso pelo fato que todos os colaboradores tinham ido ao campo assim que o vento começou a aumentar (no domingo às 18:00). Encontraram-se todos lá, mesmo sem terem combinado antes. Quando telefonei novamente às 22:00 eles me disseram que eu podia ficar tranquilo, que tinham controlado o incêndio e não queriam me preocupar. Para mim isto vale muito mais do que todas as perdas materiais”.

Alguns pensamentos surgem somente naquelas tremendas noites e, talvez, só nestas noites conseguimos compreendê-los. É nestes sofrimentos que a EdC se manifesta em toda a sua plenitude. 150812 Aldo Calliera

Nos dias seguintes, Aldo nos escreveu: “O fogo agora foi apagado, mas com esta temperatura, a baixa umidade e o vento, pode recomeçar a qualquer momento. O incêndio atingiu profundamente a parte agrícola e a infra-estrutura de fios de ferro. O tamanho real dos danos eu vou conseguir saber só no próximo verão, com base no rendimento das culturas. No momento, as pessoas às quais eu tinha confiado aquele setor, estão dispostas a continuar, mas se, pagar o aluguel."

Nas universidades, nos congressos, nas nossas narrações, vamos contar a EdC com estas histórias, porque este capital, aparentemente perdido, retorne multiplicado. Enquanto eu escrevia estas linhas, podia imaginar Aldo e os seus rapazes na “matera”, no amanhecer, trocando conversas, fatos, histórias e aquecendo o corpo enquanto forjam laços de amizade entre verdadeiros companheiros.

Aldo é uma daquelas pessoas que, como diria Eduardo Galeano1, “ardem a vida com tanta paixão que não se pode olhar para eles sem piscar, e quem se aproxima se acende”.


1 jornalista, escritor e ensaísta uruguaio, foi uma das personalidades mais competentes e estimadas da literatura latino-americana ndr

Este site utiliza cookies, também de terceiros, para oferecer maiores vantagens de navegação. Fechando este banner você concorda com as nossas condições para o uso dos cookies.